Home











...



« Memória Empresarial • ANO XXVIII - Ed. 407 (23/01/2000)

A Mágica da Internet

Muito se fala sobre as mudanças radicais que a comunicação eletrônica vai trazer aos negócios em nível mundial já nos próximos anos. Especialistas e estudiosos de economia não se cansam de afirmar que a estrutura comercial sofrerá alterações profundas, transformando as relações entre clientes e fornecedores dentro e fora das empresas. Tudo parece encaixar-se perfeitamente nessas previsões: as estatísticas do crescimento vertiginoso dos usuários da Internet, as facilidades do comércio virtual, bem como o enorme potencial a ser explorado nas transações cibernéticas. No entanto, pouco ou quase nada é mencionado a respeito das condições atuais e das reais possibilidades da rede, em termos físicos, principalmente para um país como o Brasil, obrigado a conviver com a miséria e as tecnologias de ponta lado a lado. Em depoimento exclusivo, Dimitri E. Lee, diretor do provedor MacBBS - Tel.: (11) 816-7859, levanta nossos principais problemas com a experiência de quem viu a Internet nascer e crescer no cenário nacional.

CREDIBILIDADE
"Internet virou uma palavra mágica, pois, no começo, ninguém sabia o que era e agora todos acham que sabem do que se trata. Seu valor hoje encontra-se mais ligado àquilo que as pessoas acreditam que um dia ela virá a representar enquanto potencial de mercado do que propriamente ao negócio em si. Existe muita gente, grandes grupos, investindo muito dinheiro na Internet sem a garantia do retorno esperado. Por outro lado, a capacidade de criar novos produtos e tecnologias a cada instante talvez consiga manter essa credibilidade por um tempo indefinido e sustentar a sobrevalorização. As regras que os economistas mais tradicionais usam para avaliar riscos de mercado não devem ser utilizadas para avaliar os riscos da Internet, pois isso é imensurável no momento. Pode até ser que os investidores obtenham resultados acima das expectativas, mas não existe nada garantido. O lucro pode ser muito grande assim como o prejuízo também."

DESCOMPASSO TECNOLÓGICO
"Temos um problema de qualidade de infra-estrutura em termos de telefonia que a Internet parece que veio para agravar. O maior problema nesse sentido não é a velocidade, mas sim a estabilidade, porque a linha costuma cair. O sistema a cabo entraria como uma alternativa eficiente e confiável, mas quem está desenvolvendo isso no Brasil normalmente não é do ramo e está focando o marketing na velocidade. Existe uma demanda por conexão estável e fixa e, por outro lado, a mobilidade, que é algo paradoxal. Quanto maior a mobilidade, menor a possibilidade de ganhar velocidade e estabilidade. Nos Estados Unidos, a coisa funciona porque existe uma conexão nacional, eles são uma Intranet. Cerca de 40% da nossa navegação vem por intermédio de servidores de lá, passando por um gargalo enorme. Temos também problemas de segurança, pois não há aparelho policial nem jurídico que consiga entender e definir claramente o que é o crime na rede. Assistimos hoje a um descompasso entre as novas tecnologias e a sociedade que se agrava cada vez mais com o passar dos anos."

PRECAUÇÕES
"A escolha de um provedor de Internet depende da necessidade do usuário. A primeira pergunta a ser feita é o que se quer da rede. Em segundo lugar, é saber qual é a relação de links por usuários, ou seja, a taxa de ocupação, para que se possa ter uma noção da velocidade. Outro aspecto importante é verificar se o suporte está adequado à plataforma e que tipo de contrato está sendo oferecido, seja ele verbal ou por escrito. Existem provedores que continuam cobrando mesmo depois de receber ou de o serviço ser cancelado, porque precisam manter determinado número de assinantes para valorizar as ações lá fora. O provedor tem que funcionar como um hospital, tem que ter o especialista que resolve os problemas realmente complicados e 90% de técnicos para solucionar os problemas do dia-a-dia, mas é fundamental que todos saibam fazer essa distinção. A tendência dos pequenos e médios provedores é estabelecer-se no provimento de conteúdo, próprio ou de terceiros, pois não será mais possível conviver a longo prazo com o provimento de acesso, que vai ficar a cargo dos grandes.


« Entrevista Anterior      Próxima Entrevista »
...
Realização:
IMEMO

MANTENEDORES:

CRA-SP

Orcose Contabilidade e Assessoria

Sianet

Candinho Assessoria Contabil

CNS

Hífen Comunicação


Pró-Memória Empresarial© e o Programa de Capacitação, Estratégia e Motivação Empreendedora Sala do Empresário® é uma realização do Instituto da Memória Empresarial (IMEMO) e publicado pela Hífen Comunicação em mais de 08 jornais. Conheça a história do projeto.

Diretor: Dorival Jesus Augusto

Conselho Assessor: Alberto Borges Matias (USP), Alencar Burti, Aparecida Terezinha Falcão, Carlos Sérgio Serra, Dante Matarazzo, Elvio Aliprandi, Irani Cavagnoli, Irineu Thomé, José Serafim Abrantes, Marcos Cobra, Nelson Pinheiro da Cruz, Roberto Faldini e Yvonne Capuano.

Contato: Tel. +55 11 9 9998-2155 – [email protected]

REDAÇÃO
Jornalista Responsável: Maria Alice Carnevalli - MTb. 25.085 • Repórter: ;
Revisão: Angelo Sarubbi Neto • Ilustrador: Eduardo Baptistão

PROIBIDA A REPRODUÇÃO TOTAL OU PARCIAL DESTAS ENTREVISTAS sem permissão escrita e, quando permitida, desde que citada a fonte. Vedada a memorização e/ou recuperação total ou parcial, bem como a inclusão de qualquer parte da obra em qualquer sistema de processamento de dados. A violação dos Direitos Autorais é punível como crime. Lei nº 6.895 de 17.12.1980 (Cód. Penal) Art. 184 e parágrafos 185 e 186; Lei nº 5.998 de 14.12.1973


Hífen Comunicação
© 1996/2016 - Hífen Comunicação Ltda. - Todos os Direitos Reservados
A marca Sala do Empresário - Programa de Capacitação, Negócios e Estratégia Empresarial
e o direito autoral Pró-Memória Empresarial, são de titularidade de
Hífen Comunicação Editorial e Eventos Ltda.