Home











...



« Memória Empresarial • ANO XXVIII - Ed. 85 (21/11/1993)

A dura Invenção do Destino

O Brasil acostumou-se a ligar a palavra empresário aos privilégios. Mas isso só acontece numa porcentagem muito pequena dos casos, que fatalmente são evidenciados como regras absolutas, numa das mais prediletas ilusões do imaginário nacional. Basta olhar ao redor para ver que empresário por aqui é sinônimo de precariedade, suor e determinação. É uma situação próxima à do trabalhador e, às vezes, abaixo do nível de vida de muitos funcionários bem remunerados.
Esse preconceito atrapalha o desempenho empresarial no País. Fica fácil aumentar impostos, quando atividades honestas - como arriscar a vida para sobreviver e ter lucro - são colocadas sob suspeita. E fica difícil, quando uma pessoa ou família decide deixar a acomodação de lado para poder ter acesso a uma vida melhor e sentir o gosto da realização profissional. O casal Amauri e Rosa Meire do Amaral está entre os que fizeram essa opção, num momento de extrema dificuldade econômica para o País.
Foi exatamente em março de 1990, em pleno Plano Collor, que eles fundaram a M. Amaral Indústria e Comércio de Uniformes Ltda., em São Paulo, fruto de uma decisão arriscada. Amauri deixou um sólido emprego de gerente de banco para embarcar no que sua família chamou de "aventura". E, junto com a esposa, aos poucos teve que se desfazer de apartamento, carro e telefone, para poder viabilizar o empreendimento.
Precisaram também abrir mão de dois terços da sociedade, para unir-se a dois sócios, pois, como diz Meire, "é melhor ter 33% de alguma coisa do que 100% de nada". Hoje, fabricando 12 mil peças por mês, entre jalecos, macacões, calças e camisas para funcionários de empresas como Caloi, Johnson, Vega-Sopave, entre outros, eles se preparam para inaugurar uma fábrica em Mogi das Cruzes. Continuam como no princípio: não acomodados, lutando para viver e manter uma folha com vinte empregados. É o que Meire conta a seguir.

ACHAR É FÁCIL, DIFÍCIL É AGIR -
"Sou filha de pais separados e vim da Bahia, em 1974, em situação precária. Aprendi a costurar em casa, com minhas irmãs, mas não gostava dessa atividade. Arranjei, então, emprego de secretária numa empresa coligada ao banco em que Amauri trabalhava. Temos três filhos desse casamento, no qual enfrentamos todos os problemas normais de uma família brasileira.
Só que não me conformei com a situação e, graças a cursos de desenvolvimento espiritual, decidi parar de criticar os outros e agir. Matriculei meus filhos no Mackenzie, praticamente sem ter condições de mantê-los lá, só porque esse era meu sonho há muito tempo. E encontrei até dificuldades no uniforme, que era muito caro.
Fui, então, para o Brás comprar o material e pedi para minha irmã cortar os uniformes. Reencontrei aí minhas raízes, pois estava lidando com uma atividade familiar. A roupa ficou linda, e decidi ir para a porta do Mackenzie vender esse serviço para os pais dos outros alunos. Levava os cheques à noite para meu marido, e ele, no princípio, ria, mas entendeu que ali estava surgindo alguma coisa. Até que chegou a hora de tomar a decisão.
Eu já tinha conseguido novos clientes em outra escola e, aos poucos, acabei encontrando um nicho excelente, que é o de fabricação de uniformes empresariais. Meu marido já estava decidido a ter negócio próprio e tinha entrado com 5% de participação numa outra firma, mas sentiu que lá ele tinha tanta autonomia quanto um funcionário. Resolvemos, então, trabalhar unidos, para conseguir alguma coisa realmente nossa."

CRISE NÃO É O FIM DO MUNDO

"Na hora em que decidimos montar a empresa, desabou o Plano Collor. Mas eu pensava o seguinte: na hora em que todo mundo está quebrando, nós estamos nascendo, pequenininhos. Vamos, então, preparar-nos, pois o mundo não vai acabar, ele vai continuar. Quando isso acontecer, nós estaremos com a base pronta e, aí, poderemos crescer.
Para nos manter, tivemos que aprender. Em primeiro lugar, a arriscar: um empréstimo no banco é necessário, desde que seja bem feito. Desde o início, pago juros. Se não me tivesse proposto a pagar juros, teria morrido. Prefiro pagar para sobreviver, e é por isso que estamos aqui. Outro exemplo: vendemos nosso patrimônio para ter capital de giro.
Conseguimos uma ajuda do nosso sócio, que também trabalha no banco. Coincidentemente, ele tinha recebido o pagamento de uma dívida, não em dinheiro, mas em máquinas de costura, que eram de uma firma que entrou em concordata. O terceiro sócio é do Paraná, um empresário e fazendeiro. A sociedade foi uma saída para conseguirmos sobreviver. Eles nos ajudam muito, dão muitas informações, criam soluções, mas não interferem no trabalho. E não fazem retiradas: tudo é reinvestido aqui mesmo.
Ao mesmo tempo, o SEBRAE/SP ajudou-nos a profissionalizar a empresa. Meu marido é formado em Administração, mas a faculdade é muito teórica. Faltava-nos experiência, e os consultores do SEBRAE/SP resolveram muitas dúvidas."

TEMOS QUE ENFRENTAR O MEDO -
"Lutamos para conseguir a homologação da Santista Têxtil, que nos dá todo o suporte para a confecção de uniformes. No início, eu não tinha nada, e eles nem queriam receber-nos. Mas insistimos, mostrando que éramos pequenos mas podíamos crescer. Para nós, foi uma solução excelente, pois o próprio cliente quer trabalhar com tecido Santista, que tem todas as garantias, além de preço e qualidade.
Outros fornecedores ainda não estabeleceram esse vínculo tão forte com o mercado, e vai levar alguns anos para que a situação se reverta. Da Santista recebemos todo o apoio, inclusive eles desenharam o leiaute da nossa fábrica, em Mogi das Cruzes. Antes disso, orientaram-nos sobre tudo, em relação às máquinas que deveríamos comprar, os modelos mais fáceis de vender e, além disso, vivem checando a qualidade das confecções.
Estamos querendo atingir, em dois anos, uma média de 30 mil peças por mês. Queremos entrar também em outros nichos, como roupa profissional fina e segmentos como hotelaria, hospitais, empresas de aviação etc. É preciso trabalhar o medo, acreditar que vamos conseguir, sem querer sobressair-se ou ser melhor do que ninguém.
No Brasil, existe muita acomodação das pessoas e também falta de clareza do governo, que deveria incentivar mais as empresas. Perde-se muito tempo neste país. Muitos funcionários preferem forçar a demissão do que se demitir, para depois conseguir o seguro- desemprego. Em geral, o empregado quer receber seus benefícios em dinheiro, para poder administrar bem suas necessidades. Muitos estão dispostos a trabalhar; outros, nem tanto."


« Entrevista Anterior      Próxima Entrevista »
...
Realização:
IMEMO

MANTENEDORES:

Sianet

Candinho Assessoria Contabil

CNS

CRA-SP

Orcose Contabilidade e Assessoria

Hífen Comunicação


Pró-Memória Empresarial© e o Programa de Capacitação, Estratégia e Motivação Empreendedora Sala do Empresário® é uma realização do Instituto da Memória Empresarial (IMEMO) e publicado pela Hífen Comunicação em mais de 08 jornais. Conheça a história do projeto.

Diretor: Dorival Jesus Augusto

Conselho Assessor: Alberto Borges Matias (USP), Alencar Burti, Aparecida Terezinha Falcão, Carlos Sérgio Serra, Dante Matarazzo, Elvio Aliprandi, Irani Cavagnoli, Irineu Thomé, José Serafim Abrantes, Marcos Cobra, Nelson Pinheiro da Cruz, Roberto Faldini e Yvonne Capuano.

Contato: Tel. +55 11 9 9998-2155 – [email protected]

REDAÇÃO
Jornalista Responsável: Nei Carvalho Duclós - MTb. 2.177.865 • Repórter: ;
Revisão: Angelo Sarubbi Neto • Ilustrador: Novo

PROIBIDA A REPRODUÇÃO TOTAL OU PARCIAL DESTAS ENTREVISTAS sem permissão escrita e, quando permitida, desde que citada a fonte. Vedada a memorização e/ou recuperação total ou parcial, bem como a inclusão de qualquer parte da obra em qualquer sistema de processamento de dados. A violação dos Direitos Autorais é punível como crime. Lei nº 6.895 de 17.12.1980 (Cód. Penal) Art. 184 e parágrafos 185 e 186; Lei nº 5.998 de 14.12.1973


Hífen Comunicação
© 1996/2016 - Hífen Comunicação Ltda. - Todos os Direitos Reservados
A marca Sala do Empresário - Programa de Capacitação, Negócios e Estratégia Empresarial
e o direito autoral Pró-Memória Empresarial, são de titularidade de
Hífen Comunicação Editorial e Eventos Ltda.