Home











...



« Memória Empresarial • ANO XXVIII - Ed. 615 (18/01/2004)

Alerta para Falência

Atualmente em trâmite para aprovação no Senado, a nova Lei de Falências foi criada para possibilitar às empresas a oportunidade de um acordo extrajudicial para a reabilitação e a continuidade do negócio. No entanto, da forma como foi concebida, a medida não vai favorecer as pequenas e médias organizações, ou seja, quem mais precisa de incentivos para sobreviver e crescer no cenário econômico nacional, que mantém uma das mais elevadas taxas de juros do mundo. Sem fluxo de caixa e sem acesso a financiamentos compatíveis com a sua realidade, 98% das empresas brasileiras, que geram a maioria dos postos de trabalho no País, vão perder uma oportunidade valiosa e talvez a única saída para continuar ativas. Quem faz o alerta é Irani Cavagnoli, ex-superintendente do Sebrae/SP e atual presidente do Comitê de Gestão de Médias e Pequenas Empresas do Instituto Brasileiro de Gestão e Turnaround (IBGT) - e-mail: [email protected] -. Em depoimento exclusivo, ele mostra por que a legislação não favorece os empreendimentos de menor porte e pede o apoio das entidades no encaminhamento urgente de reformulações capazes de democratizar os procedimentos legais contra as falências para todo o universo corporativo.

INSUFICIÊNCIA
"Essa lei já esta tramitando no Congresso há dez anos e deveria incorporar procedimentos de atualização, pois o capítulo destinado à recuperação das micro e pequenas empresas não atende as necessidades das organizações desse porte. Do jeito que está, as pequenas empresas não contam com um instrumento extremamente novo e importante, criado pela legislação, que é a recuperação extrajudicial. Todos nós sabemos que o Poder Judiciário está com uma sobrecarga muito grande. O processo de recuperação de uma empresa é algo que pode demandar tempo por parte do juiz, e um dia na vida de uma empresa que está em fase de recuperação é crítico. Uma vez que haja o consenso dos credores em relação ao plano de negócios, que nada mais é do que um plano de recuperação dessa empresa, feito por profissionais que entendem da área, não precisa haver homologação para que isso se torne rapidamente exeqüível, mantendo assim o espírito da lei, que é dar continuidade ao negócio."

SIMPLIFICAÇÃO BURRA
"A pequena empresa ficou excluída dessa grande possibilidade que é a negociação extrajudicial, porque tem que proceder praticamente da mesma forma que se faz hoje. O proprietário, por meio dos advogados, deve apresentar ao juiz uma proposta de parcelamento de dívidas, que poderá ser em até 36 vezes, em prestações iguais e sucessivas, prorrogáveis por mais 12 meses. Trata-se de uma proposta de parcelamento de dívidas e não de um plano de recuperação. Nós entendemos que foi uma simplificação burra, porque seria uma ótima oportunidade para o dirigente da pequena empresa elaborar, de fato, o seu plano de negócios, cuja ausência pode ter comprometido o negócio. Do ponto de vista pedagógico, a lei deveria exigir que fosse feito esse planejamento, algo simples, mas capaz de nortear a ação desse pequeno empreendedor com o apoio dos seus credores, que poderiam sugerir maneiras para que ele pudesse manter a atividade em andamento, sendo esse o interesse de todas as partes envolvidas."

ABERRAÇÃO
"O artigo 184 da futura lei é uma verdadeira aberração, pois diz que o pequeno empresário tem que apresentar o projeto de recuperação ao juiz, que irá decidir se aprova ou não a proposta de parcelamento de acordo com os credores. A manutenção desse artigo 184 impede que o empreendedor de pequeno porte, durante a fase de recuperação da empresa, contrate novas pessoas ou tenha novas despesas, sem a aprovação judicial. Essa seria uma das grandes falhas da legislação que precisa ser urgentemente corrigida. O presidente do IBGT, Jorge Queiroz, já está enviando sugestões para que essas incoerências sejam modificadas no Senado, mas seria muito importante que outras entidades e instituições se juntassem, disponibilizassem seus técnicos e fizessem pressão sobre a base política para que as pequenas empresas não sejam prejudicadas por um conjunto de medidas que não atendem às suas necessidades, antes que a lei seja aprovada. Realmente, é incompreensível que nada tenha sido feito até agora no sentido de aprimorar essa legislação para quem mais precisa dela."


« Entrevista Anterior      Próxima Entrevista »
...
Realização:
IMEMO

MANTENEDORES:

CRA-SP

Orcose Contabilidade e Assessoria

Sianet

Candinho Assessoria Contabil

CNS

Hífen Comunicação


Pró-Memória Empresarial© e o Programa de Capacitação, Estratégia e Motivação Empreendedora Sala do Empresário® é uma realização do Instituto da Memória Empresarial (IMEMO) e publicado pela Hífen Comunicação em mais de 08 jornais. Conheça a história do projeto.

Diretor: Dorival Jesus Augusto

Conselho Assessor: Alberto Borges Matias (USP), Alencar Burti, Aparecida Terezinha Falcão, Carlos Sérgio Serra, Dante Matarazzo, Elvio Aliprandi, Irani Cavagnoli, Irineu Thomé, José Serafim Abrantes, Marcos Cobra, Nelson Pinheiro da Cruz, Roberto Faldini e Yvonne Capuano.

Contato: Tel. +55 11 9 9998-2155 – [email protected]

REDAÇÃO
Jornalista Responsável: Maria Alice Carnevalli - MTb. 25.085 • Repórter: Fernando Bóris;
Revisão: Angelo Sarubbi Neto • Ilustrador: Eduardo Baptistão

PROIBIDA A REPRODUÇÃO TOTAL OU PARCIAL DESTAS ENTREVISTAS sem permissão escrita e, quando permitida, desde que citada a fonte. Vedada a memorização e/ou recuperação total ou parcial, bem como a inclusão de qualquer parte da obra em qualquer sistema de processamento de dados. A violação dos Direitos Autorais é punível como crime. Lei nº 6.895 de 17.12.1980 (Cód. Penal) Art. 184 e parágrafos 185 e 186; Lei nº 5.998 de 14.12.1973


Hífen Comunicação
© 1996/2016 - Hífen Comunicação Ltda. - Todos os Direitos Reservados
A marca Sala do Empresário - Programa de Capacitação, Negócios e Estratégia Empresarial
e o direito autoral Pró-Memória Empresarial, são de titularidade de
Hífen Comunicação Editorial e Eventos Ltda.