Home











...



« Memória Empresarial • ANO XXVIII - Ed. 626 (04/04/2004)

O Lucro Permanente da Beleza

Nenhum negócio consegue ficar imune às sucessivas crises econômicas que vêm abalando não somente o cenário brasileiro como também as atividades empresariais em nível global nas últimas décadas. No entanto, existem nichos que se transformaram em fontes permanentes de oportunidades para ingressar e crescer no mercado corporativo. Um deles é a prestação de serviços no ramo da estética e da beleza. Um exemplo concreto de que a vaidade nunca sai de moda é o sucesso nacional de Nilta da Silva Murcelli - www.niltaperucas.com.br , que saiu do interior de Minas Gerais aos 17 anos para se tornar uma das cabeleireiras mais conhecidas e requisitadas do País. Proprietária de dois salões e de uma loja de perucas com oficina própria no bairro dos Jardins, em São Paulo, ela foi pioneira na confecção de perucas elaboradas a partir de cabelo natural, na aplicação de alongamentos e no atendimento especializado a pacientes submetidos à quimioterapia. Ao comemorar quarenta anos de intenso trabalho, ela dá uma lição de empreendedorismo e de perseverança em depoimento exclusivo, além de destacar a importância da sua luta em conjunto com as entidades representativas do segmento para a conquista do reconhecimento da profissão de cabeleireiro no Brasil.

SONHO REALIZADO
"Eu sou mineira e, com 17 anos, convenci meu pai a nos mudarmos para São Paulo, onde tínhamos duas tias. Ao chegar aqui, fui trabalhar em uma fábrica de gravatas, mas sempre gostei de mexer com cabelo, e já tinha alguma experiência, pois costumava ajudar uma amiga cabeleireira na cidade onde morávamos. Aos 20 anos eu me casei, tive uma filha e quando ela ainda era pequena, nós compramos uma casa no bairro de Vila Medeiros, que tinha uma garagem na frente. Eu e meu marido começamos a pensar no tipo de negócio que poderíamos montar ali, quando ouvimos uma propaganda no rádio de uma escola de cabeleireiros. Aí me deu aquele estalo, e como eu já enrolava o cabelo das vizinhas, resolvi me matricular no curso e, uma semana depois de terminá-lo, montei meu primeiro salão no início da década de 60. Colocamos nesse espaço a penteadeira do quarto, uma mesinha de manicure e um secador comprado com a primeira aposentadoria do meu sogro. Comecei a me aperfeiçoar e, em 1965, abrimos uma escola de cabeleireiros na mesma região."

PIONEIRISMO
"Naquela época, usava-se muita peruca sintética, mas eu resolvi fazer uma peruca com cabelo natural. Ninguém pensava em vender cabelo, não existia essa idéia ainda, mas a partir do sucesso da peruca de cabelo natural, comecei a fazer os apliques e os rabos-de-cavalo que foram muito usados nos anos 70. Fui pioneira no Brasil na utilização dessas técnicas e consegui projetar o meu trabalho participando de concursos de penteado promovidos por animadores de televisão como Sílvio Santos e Chacrinha nos seus programas de auditório. Mudamos para o bairro do Belém, onde montamos uma escola que acabou sendo fechada, porque esse é um tipo de negócio que depende da presença do dono, precisa ser profissional e perseverar na profissão. No Belém, comecei a me dedicar mais aos cabelos e nunca mais parei de fazer as perucas e os apliques. Também comecei a participar da Federação Brasileira das Associações de Cabeleireiro (Febraca), fazendo demonstrações gratuitas para os profissionais de pequenos salões de beleza em todo o Brasil, que não tinham oportunidade, como eu tive por meio de diversos patrocínios, de viajar para o exterior e aprender as novidades."

RECONHECIMENTO
"Cabeleireiro ainda não é uma profissão regulamentada no País. Qualquer pessoa pode treinar em casa, abrir um salão e não tem nada que a impeça. Do ponto de vista das entidades de classe, existem o Sindicato dos Empregados de Cabeleireiro e o sindicato patronal do qual eu faço parte da diretoria. Nós temos lutado muito para obter o reconhecimento da profissão e já perdemos vários domingos com reuniões tentando mudar alguma coisa nesse sentido, mas quando a proposta vai para Brasília, não há continuidade. Nós sabemos que se trata de algo muito complexo, pois a regulamentação deve começar desde o ensino das técnicas profissionalizantes, mas, em vários países da Europa, o trabalho de cabeleireiro já está devidamente reconhecido como uma profissão legal."


« Entrevista Anterior      Próxima Entrevista »
...
Realização:
IMEMO

MANTENEDORES:

Sianet

Candinho Assessoria Contabil

CNS

CRA-SP

Orcose Contabilidade e Assessoria

Hífen Comunicação


Pró-Memória Empresarial© e o Programa de Capacitação, Estratégia e Motivação Empreendedora Sala do Empresário® é uma realização do Instituto da Memória Empresarial (IMEMO) e publicado pela Hífen Comunicação em mais de 08 jornais. Conheça a história do projeto.

Diretor: Dorival Jesus Augusto

Conselho Assessor: Alberto Borges Matias (USP), Alencar Burti, Aparecida Terezinha Falcão, Carlos Sérgio Serra, Dante Matarazzo, Elvio Aliprandi, Irani Cavagnoli, Irineu Thomé, José Serafim Abrantes, Marcos Cobra, Nelson Pinheiro da Cruz, Roberto Faldini e Yvonne Capuano.

Contato: Tel. +55 11 9 9998-2155 – [email protected]

REDAÇÃO
Jornalista Responsável: Maria Alice Carnevalli - MTb. 25.085 • Repórter: Fernando Bóris;
Revisão: Angelo Sarubbi Neto • Ilustrador: Eduardo Baptistão

PROIBIDA A REPRODUÇÃO TOTAL OU PARCIAL DESTAS ENTREVISTAS sem permissão escrita e, quando permitida, desde que citada a fonte. Vedada a memorização e/ou recuperação total ou parcial, bem como a inclusão de qualquer parte da obra em qualquer sistema de processamento de dados. A violação dos Direitos Autorais é punível como crime. Lei nº 6.895 de 17.12.1980 (Cód. Penal) Art. 184 e parágrafos 185 e 186; Lei nº 5.998 de 14.12.1973


Hífen Comunicação
© 1996/2016 - Hífen Comunicação Ltda. - Todos os Direitos Reservados
A marca Sala do Empresário - Programa de Capacitação, Negócios e Estratégia Empresarial
e o direito autoral Pró-Memória Empresarial, são de titularidade de
Hífen Comunicação Editorial e Eventos Ltda.