Home











...



« Memória Empresarial • ANO XXVIII - Ed. 860 (28/09/2008)

Artesanato profissional

Quem acredita que para começar uma pequena empresa no Brasil é preciso cercar-se das soluções educacionais das escolas de negócio e dispor de um capital razoável como investimento inicial certamente não conhece a realidade do mercado e nunca ouviu o depoimento vivo de empreendedores que vislumbraram uma oportunidade e estão construindo a sua própria história, aprendendo a gerir uma empresa por meio da prática e da superação dos desafios diários. Bom exemplo nesse sentido vem de Sirlei Araújo Sanchez, fundadora e diretora da Sabuh – artigos para banho (www.sabuh.com.br), que começou a fabricar sabonetes em um canto da cozinha da própria casa e soube profissionalizar essa atividade artesanal que gera empregos e está em franca expansão em termos de crescimento e de inovação. Ao perceber que o setor de brindes para o mercado corporativo não estava sendo atendido por essa prestação de serviços, ela decidiu afastar-se do emprego no departamento financeiro de uma organização para se dedicar de corpo e alma à confecção de kits para banho sob medida e em grande quantidade. Em depoimento exclusivo, ela relata em que momento tomou a decisão de empreender e como pretende expandir a distribuição com o lançamento de uma franquia da marca.

CRIATIVIDADE
"Comecei vendendo para familiares e amigos na empresa em que trabalhava. Depois passaram a vir os convites para feiras de artesanato, eventos em shoppings e em escolas. Foi então que percebi que o produto tinha saída, que era bem aceito e, por isso, passamos a desenvolver modelos diferentes. Houve uma época em que muita gente fazia sabonete artesanal, que virou uma febre. Por isso, pensei que tinha que fazer algo diferenciado, que fosse à base de glicerina, mas não com os formatos já conhecidos. Foi quando começamos a fazer os sabonetes infantis pintados a mão e a criar linha de frutas, que faz sucesso há vários anos. Quando os nossos principais clientes passaram a ser as empresas para as quais estamos totalmente voltados hoje, os pedidos passaram a vir em quantidades muito grandes, o que nos obrigou a arranjar um espaço para a fabricação em escala e a ter dedicação exclusiva."


PROFISSIONALIZAÇÃO
"Nós vemos a Sabuh como uma família, com um ajudando o outro. Estamos procurando cursos para conseguir gerir melhor o negócio, o que ainda é uma dificuldade para mim e meu namorado, Lucas Junqueira, que cuida da parte administrativa. Por menor que sejamos, é preciso agir como uma empresa, porque os princípios são os mesmos e não dá para pensar pequeno, senão não funciona. A opção pelo mercado corporativo deu-se porque descobrimos que não havia uma empresa especializada em brindes de sabonetes para esse público, já que, para fazer sabonete artesanal em grande escala, é preciso ter uma estrutura montada para conseguir atender essa demanda, o que não é fácil, uma vez que tudo é pintado e embalado à mão. Também participamos de alguns eventos como a Holambra, a Mega Artesanal e a Feira do Japão, mais para a divulgação da marca. Sentimos a necessidade de separar o conceito de artesanal do caseiro, para que as pessoas sentissem a diferença em termos da seriedade, do compromisso e do profissionalismo na fabricação."


DISTRIBUIDORES
"Temos parceiros que fazem as fôrmas para que possamos transformar qualquer idéia em realidade e um químico responsável para atestar a qualidade daquilo que manipulamos. Como já fidelizamos alguns clientes, o próximo passo agora é colocar representantes para atuar pessoalmente. Temos muitos produtos, o que acaba dificultando o trabalho, porque temos sempre que manter um estoque muito grande. Por isso, estamos sentindo a necessidade de focar mais em termos de aromas e de essências para diminuir esse leque e profissionalizar cada vez mais o processo de fabricação. Também pretendemos abrir um show-room para dar início à formatação de uma rede de franquias até o final deste ano. Precisamos de pontos de venda, principalmente na Grande São Paulo, pois já temos alguns distribuidores em outros estados. Acreditamos que esse é o melhor caminho para a expansão do negócio, porque o nosso produto já foi testado e aprovado no Brasil e no exterior e queremos preservar o conceito artesanal, mas com toda a qualidade de um produto industrializado."


« Entrevista Anterior      Próxima Entrevista »
...
Realização:
IMEMO

MANTENEDORES:

Sianet

Candinho Assessoria Contabil

CNS

CRA-SP

Orcose Contabilidade e Assessoria

Hífen Comunicação


Pró-Memória Empresarial© e o Programa de Capacitação, Estratégia e Motivação Empreendedora Sala do Empresário® é uma realização do Instituto da Memória Empresarial (IMEMO) e publicado pela Hífen Comunicação em mais de 08 jornais. Conheça a história do projeto.

Diretor: Dorival Jesus Augusto

Conselho Assessor: Alberto Borges Matias (USP), Alencar Burti, Aparecida Terezinha Falcão, Carlos Sérgio Serra, Dante Matarazzo, Elvio Aliprandi, Irani Cavagnoli, Irineu Thomé, José Serafim Abrantes, Marcos Cobra, Nelson Pinheiro da Cruz, Roberto Faldini e Yvonne Capuano.

Contato: Tel. +55 11 9 9998-2155 – [email protected]

REDAÇÃO
Jornalista Responsável: Maria Alice Carnevalli - MTb. 25.085 • Repórter: Fernando Bóris;
Revisão: Angelo Sarubbi Neto • Ilustrador: Eduardo Baptistão

PROIBIDA A REPRODUÇÃO TOTAL OU PARCIAL DESTAS ENTREVISTAS sem permissão escrita e, quando permitida, desde que citada a fonte. Vedada a memorização e/ou recuperação total ou parcial, bem como a inclusão de qualquer parte da obra em qualquer sistema de processamento de dados. A violação dos Direitos Autorais é punível como crime. Lei nº 6.895 de 17.12.1980 (Cód. Penal) Art. 184 e parágrafos 185 e 186; Lei nº 5.998 de 14.12.1973


Hífen Comunicação
© 1996/2016 - Hífen Comunicação Ltda. - Todos os Direitos Reservados
A marca Sala do Empresário - Programa de Capacitação, Negócios e Estratégia Empresarial
e o direito autoral Pró-Memória Empresarial, são de titularidade de
Hífen Comunicação Editorial e Eventos Ltda.