Home











...



« Memória Empresarial • ANO XXVIII - Ed. 869 (30/11/2008)

Mercado para a arte

A difícil relação do artista plástico com o aspecto mercantilista do seu trabalho está adquirindo novas proporções na sociedade atual, que pode e deve ser beneficiada pela produção e pela difusão de qualquer forma de arte. Essa forma de conscientização e de compromisso social está crescendo cada vez mais e deixando no passado os preconceitos contra o poder econômico, visando transformar as manifestações artísticas de qualquer natureza em grandes oportunidades de negócio do ponto de vista empreendedor. Uma prova disso está na constituição da empresa A Júnior Artes (AJA), incubada desde junho deste ano dentro do Instituto de Artes da Universidade Estadual de São Paulo – www.ia.unesp.br ([email protected]). Criada por um grupo de seis estudantes sob a supervisão de um professor orientador, a iniciativa tem por objetivo estabelecer a ponte necessária entre os jovens produtores de arte e a sua inserção no universo corporativo de maneira auto-sustentável por meio do registro do patrimônio cultural brasileiro nos mais diversos formatos com um enfoque diferenciado da propaganda. Em depoimento exclusivo e entusiasmado com a idéia, Gustavo Brognara, um dos fundadores da AJA, explica como essa proposta inovadora está consolidando-se, disposta até mesmo a conquistar o concurso promovido pelo Banco Santander Banespa na categoria Educação e Cultura.

VERTENTES
“A Junior Artes está baseada em dois segmentos de difusão: o artístico e o científico. Isso significa criar um pensamento artístico e difundi-lo da maneira mais ampla possível. Com essa finalidade, trabalhamos com duas vertentes diferentes. A primeira consiste no registro do patrimônio imaterial, que é a parte em que nós vimos a inovação, porque não se trata de publicidade, não é apenas um registro. Existe todo um conceito de pesquisa por trás da relação desse registro com o próprio evento para auxiliar na consciência das pessoas, dos participantes e da comunidade local, tendo em vista a preservação do patrimônio, além da difusão para as outras comunidades. A outra vertente seria o fomento de novos artistas, uma vez que a empresa visa atender novos projetos de pesquisa no campo artístico. Temos vários alunos no instituto que querem produzir, mas não possuem infra-estrutura. Nesse sentido, a empresa tem como objetivo ajudar esse novo artista em processo de formação para que o seu projeto mostre-se auto-sustentável.”


PONTE
“A questão do lucro, na nossa concepção, é muito diferente. Nós entendemos por lucro qualquer tipo de conhecimento, então o nosso maior lucro está no aprendizado. Por isso, buscamos aprender a lidar com a arte como negócio e não com o lucro financeiro em si mesmo. Muitas vezes isso funciona como uma forma de parceria, pois a idéia é fornecer uma espécie de ponte entre o mercado e esses jovens artistas que estão produzindo, por enquanto, na universidade, porque a AJA ainda não tem condições de assumir um compromisso com o mercado, mas a idéia é que ela venha a exercer o empreendedorismo social, ou seja, quando as ações promovidas por ela beneficiarem as comunidades em que estão inseridas, e não apenas o empreendedor. É nessa linha que compreendemos o empreendedorismo social. Significa pensar no outro, e não ficar somente com a visão subjetiva das próprias idéias.”


PRETENSÃO
“Acreditamos que com esse primeiro passo dado será mais fácil para os nossos futuros colegas levarem a empresa adiante sempre dentro da universidade. No momento em que a AJA estiver com grandes projetos e a partir da hora em que ficar visível essa idéia de registro de patrimônio e de fomentar novos artistas, as pessoas certamente vão engajar-se nessa forma de empreendedorismo. Nossa pretensão está em ajudar o artista em formação, mostrando que ele mesmo pode enxergar-se como empreendedor sem depender de administradores, além de atender as grandes empresas, que procuram uma visão diferente da publicitária para associar à sua imagem, investindo na cultura por meio da integração das diversas formas de manifestação artística. Queremos mostrar também que a arte está em todos os lugares e caminha junto com o mercado em todos os sentidos atualmente, rompendo com o preconceito das gerações passadas.”


« Entrevista Anterior      Próxima Entrevista »
...
Realização:
IMEMO

MANTENEDORES:

CRA-SP

Orcose Contabilidade e Assessoria

Sianet

Candinho Assessoria Contabil

CNS

Hífen Comunicação


Pró-Memória Empresarial© e o Programa de Capacitação, Estratégia e Motivação Empreendedora Sala do Empresário® é uma realização do Instituto da Memória Empresarial (IMEMO) e publicado pela Hífen Comunicação em mais de 08 jornais. Conheça a história do projeto.

Diretor: Dorival Jesus Augusto

Conselho Assessor: Alberto Borges Matias (USP), Alencar Burti, Aparecida Terezinha Falcão, Carlos Sérgio Serra, Dante Matarazzo, Elvio Aliprandi, Irani Cavagnoli, Irineu Thomé, José Serafim Abrantes, Marcos Cobra, Nelson Pinheiro da Cruz, Roberto Faldini e Yvonne Capuano.

Contato: Tel. +55 11 9 9998-2155 – [email protected]

REDAÇÃO
Jornalista Responsável: Maria Alice Carnevalli - MTb. 25.085 • Repórter: Fernando Bóris;
Revisão: Angelo Sarubbi Neto • Ilustrador: Eduardo Baptistão

PROIBIDA A REPRODUÇÃO TOTAL OU PARCIAL DESTAS ENTREVISTAS sem permissão escrita e, quando permitida, desde que citada a fonte. Vedada a memorização e/ou recuperação total ou parcial, bem como a inclusão de qualquer parte da obra em qualquer sistema de processamento de dados. A violação dos Direitos Autorais é punível como crime. Lei nº 6.895 de 17.12.1980 (Cód. Penal) Art. 184 e parágrafos 185 e 186; Lei nº 5.998 de 14.12.1973


Hífen Comunicação
© 1996/2016 - Hífen Comunicação Ltda. - Todos os Direitos Reservados
A marca Sala do Empresário - Programa de Capacitação, Negócios e Estratégia Empresarial
e o direito autoral Pró-Memória Empresarial, são de titularidade de
Hífen Comunicação Editorial e Eventos Ltda.