Home











...



« Memória Empresarial • ANO XXVIII - Ed. 293 (16/11/1997)

A Representatividade de Volta

Ao procurar garantir independência de ação, as mais importantes e tradicionais entidades e sindicatos representativos das classes produtoras freqüentemente passam também a concorrer com as empresas, em tarefas de sua competência específica, em vez de representá-las e defendê-las, como deve ser o seu propósito fundamental. Em conseqüência, tal distorção contribui fortemente para deteriorar o nível de representatividade e fragilizar a autoridade moral dessas instituições, tornando inócua a missão de defender os postulados da livre iniciativa. Paradoxalmente, elas são geralmente conduzidas por líderes empresariais que, não obstante se destaquem pela visão, descortino, competência e dinamismo, em seus segmentos, não se apercebem claramente do desvio de rota. Outras, no entanto, mais conscientes, estão procurando fazer "a nau retornar ao curso normal" e, dessa maneira, reconquistar a credibilidade e fortalecer a representatividade dessas entidades. É o que vem acontecendo com a Associação Comercial e Industrial de Guarulhos (ACIG) www.aceguarulhos.com.br –, conforme relata, em depoimento exclusivo, seu presidente Luis Roberto Mesquita, que, há um ano e meio, vem reabilitando, com sucesso, uma entidade que estava praticamente falida.

RETOMANDO A LIDERANÇA E A REPRESENTATIVIDADE
"A situação estava muito ruim; talvez a ACIG viesse encerrar as atividades. Há aproximadamente 24 meses, não pagávamos nossos provedores de bancos de dados de informações da Associação Comercial de São Paulo. Alguns empresários, informando-nos acerca da situação e de algumas irregularidades, estimularam a nossa candidatura à presidência da entidade. Temos conseguido, também - o que é mais importante -, a convergência de ações das diversas entidades empresariais surgidas depois que as mais antigas foram perdendo representatividade e dinamismo. A união dessas associações, embora não tivesse atingido o nível ideal, é cada vez mais estreita. Caberá, à ACIG estimular o desenvolvimento de revitalização, porque é a mais forte, até pelo número de associados - 1,7 mil -, o Ciesp também é importante, mas congrega principalmente indústrias (cerca de trezentas), muitas das quais também nossas filiadas."

A POLÍTICA NA DEFESA DO BEM COMUM
"Nossa posição no tocante à administração pública municipal é de independência, ignorando qualquer conotação política, a favor ou contra; a única condição para o nosso apoio é que o assunto seja de interesse da cidade. Por exemplo, promovemos encontros de assessores que participaram da elaboração do Simples com o prefeito e o secretário de Finanças, para transmitir orientações técnicas, visando a adesão da prefeitura. Neste caso, estamos juntos. Porém, diante de acusações de enriquecimento ilícito (compra de terras no interior do estado) envolvendo o prefeito, aprovamos o encaminhamento de memorial aos vereadores, exortando-os a constituir comissão especial de inquérito para esclarecer os fatos, bem como solicitamos do Ministério Público também a apuração das denúncias. Tal posição apartidária e eqüidistante das facções políticas em disputa, nem sempre devidamente compreendida - mas que preferimos mantê-la -, permanecendo nossa posição de independência e de críticas construtivas em prol do bem comum."

DESCOBRINDO O TURISMO DE NEGÓCIOS
"Como segunda cidade paulista em população - aproximadamente 1 milhão de habitantes - e terceira em arrecadação de ICMS, a exemplo de outros municípios industriais, nos últimos dez anos Guarulhos também vem assumindo nova vocação, no caso, de pólo de turismo de negócios e eventos. Isso é comprovado pela relativa estabilidade dos índices de atividade industrial e de consumo de energia para fins industriais, enquanto os setores comercial e de serviços registram apreciável crescimento. O município deverá sediar, às margens da Rodovia dos Trabalhadores, um novo centro de negócios e exposições três vezes e meia maior do que o do Anhembi, numa parceria entre o governo do Estado e a iniciativa privada. Evidentemente, para o melhor aproveitamento das oportunidades que se irão abrir, a meu ver, a administração deverá adotar de vez o planejamento estratégico, em vez de 'gerenciar por crises', como acontece atualmente."


« Entrevista Anterior      Próxima Entrevista »
...
Realização:
IMEMO

MANTENEDORES:

Sianet

Candinho Assessoria Contabil

CNS

CRA-SP

Orcose Contabilidade e Assessoria

Hífen Comunicação


Pró-Memória Empresarial© e o Programa de Capacitação, Estratégia e Motivação Empreendedora Sala do Empresário® é uma realização do Instituto da Memória Empresarial (IMEMO) e publicado pela Hífen Comunicação em mais de 08 jornais. Conheça a história do projeto.

Diretor: Dorival Jesus Augusto

Conselho Assessor: Alberto Borges Matias (USP), Alencar Burti, Aparecida Terezinha Falcão, Carlos Sérgio Serra, Dante Matarazzo, Elvio Aliprandi, Irani Cavagnoli, Irineu Thomé, José Serafim Abrantes, Marcos Cobra, Nelson Pinheiro da Cruz, Roberto Faldini e Yvonne Capuano.

Contato: Tel. +55 11 9 9998-2155 – [email protected]

REDAÇÃO
Jornalista Responsável: Angelo Sarubbi Neto - MTb. 8.964 • Repórter: ;
Revisão: Angelo Sarubbi Neto • Ilustrador: Eduardo Baptistão

PROIBIDA A REPRODUÇÃO TOTAL OU PARCIAL DESTAS ENTREVISTAS sem permissão escrita e, quando permitida, desde que citada a fonte. Vedada a memorização e/ou recuperação total ou parcial, bem como a inclusão de qualquer parte da obra em qualquer sistema de processamento de dados. A violação dos Direitos Autorais é punível como crime. Lei nº 6.895 de 17.12.1980 (Cód. Penal) Art. 184 e parágrafos 185 e 186; Lei nº 5.998 de 14.12.1973


Hífen Comunicação
© 1996/2016 - Hífen Comunicação Ltda. - Todos os Direitos Reservados
A marca Sala do Empresário - Programa de Capacitação, Negócios e Estratégia Empresarial
e o direito autoral Pró-Memória Empresarial, são de titularidade de
Hífen Comunicação Editorial e Eventos Ltda.