Home











...



« Memória Empresarial • ANO XXVIII - Ed. 722 (05/02/2006)

Ginástica Financeira

Nas últimas quatro décadas, o empresário brasileiro teve que incorporar verdadeiros malabarismos do ponto de vista estratégico para acompanhar as mudanças na economia. Mais do que um simples gestor, ele teve que aprender o valor da informação para garantir a sobrevivência e o crescimento dos negócios, que, em muitos casos, passaram a depender diretamente do comportamento dos dados financeiros. Hoje, com a economia mais estabilizada, o ponto central para os empreendedores de pequeno porte passou a ser a utilização desse conhecimento com o objetivo de inovar. Não se trata apenas de tecnologia mas, sim, de uma maneira diferente de vender, de fazer parcerias e de apresentar um produto. O pequeno empresário ainda está muito preso ao paradigma mental de que inovar é coisa para grandes organizações. Inovar é para todos, e quem não fizer isso está morto. Quem alerta é Luís Nassif, diretor da Agência Dinheiro Vivo - e-mail: [email protected] - Tel.: (11) 3016-2322, a primeira agência de informações eletrônicas implementada no Brasil. Em depoimento exclusivo, ele fala sobre o pioneirismo do seu trabalho e sobre o processo de modernização das relações corporativas.

DIVERSIFICAÇÃO
"No tempo de inflação, em 1987, a Dinheiro Vivo saiu na frente, pois quase não havia cobertura de mercado nos jornais e nós fazíamos também a análise de conjuntura econômica. Não existiam consultorias na época, o que fez com a nossa newsletter se tornasse uma referência para a projeção da taxa de juros da semana seguinte e também para o ensino da matemática financeira por meio da cartilha do investidor. Chegávamos a receber cerca de 400 mil consultas por mês. Em 1994, quando se estabilizou a economia e a taxa de juros deixou de ser um fator tão relevante, nós decidimos diversificar, montando uma carta voltada para a parte rural, outra voltada para a parte jurídica e uma outra para o departamento financeiro das empresas, concentrando a partir de 1995 em produtos financeiros. Temos também o Cash, que é publicado em vários jornais como encarte, direcionado sempre para a pessoa física. Para competir com as grandes agências internacionais, nós lançamos ainda uma carta política, uma carta agrícola e agora estamos tocando com toda força a comunicação on-line."

INFORMAÇÃO ESTRUTURADA
"Hoje, a informação virou uma commodity. Como existe muita informação repetida, o que nós estamos trabalhando para os próximos meses é o lançamento de um conjunto de produtos para atingir nichos específicos do mercado. Por isso, estamos elaborando o conceito de informação estruturada, pois existem várias maneiras de trabalhar a informação. Temos a informação jornalística, que é muito rápida e desestruturada, a informação da consultoria, que é estruturada, mas muito lenta e complexa, e também temos os indicadores econômicos, que são uma maneira de organizar a informação que avançou bastante nos anos 90, além de outras ferramentas que permitem visualizar realidades complexas. O nosso slogan hoje é Dinheiro Vivo Informações Estruturais, ou seja, personalizamos a página para que cada setor da economia possa saber quais são os fatores que interferem na sua área. A partir dessa organização, o dirigente empresarial vai poder selecionar as principais notícias que estão relacionadas diretamente ao negócio dele."

PERSPECTIVA
"Pelo que tudo indica, 2006 vai ser um ano morno, um pouco melhor do que o ano passado, por conta da taxa de juros, que deve ter queda acelerada e abrir algum espaço para crescimento no segundo semestre, mas ainda estamos longe daquilo que o Brasil poderia fazer se tivesse um governo comprometido com o desenvolvimento. O crescimento de um país tem que ser sistêmico, o que significa que devemos ter a grande empresa sofisticada, acompanhada também da sofisticação das pequenas e médias organizações. Os pequenos empresários precisam ter a cabeça aberta para persistir e para saber fazer parcerias. Nós já nos modernizamos, o Brasil teve uma grande modernização em razão dos programas de qualidade, mas os empreendedores devem mergulhar na questão gerencial, usando todas as ferramentas tecnológicas para controlar o custo, juntamente com a busca constante da inovação."


« Entrevista Anterior      Próxima Entrevista »
...
Realização:
IMEMO

MANTENEDORES:

CRA-SP

Orcose Contabilidade e Assessoria

Sianet

Candinho Assessoria Contabil

CNS

Hífen Comunicação


Pró-Memória Empresarial© e o Programa de Capacitação, Estratégia e Motivação Empreendedora Sala do Empresário® é uma realização do Instituto da Memória Empresarial (IMEMO) e publicado pela Hífen Comunicação em mais de 08 jornais. Conheça a história do projeto.

Diretor: Dorival Jesus Augusto

Conselho Assessor: Alberto Borges Matias (USP), Alencar Burti, Aparecida Terezinha Falcão, Carlos Sérgio Serra, Dante Matarazzo, Elvio Aliprandi, Irani Cavagnoli, Irineu Thomé, José Serafim Abrantes, Marcos Cobra, Nelson Pinheiro da Cruz, Roberto Faldini e Yvonne Capuano.

Contato: Tel. +55 11 9 9998-2155 – [email protected]

REDAÇÃO
Jornalista Responsável: Maria Alice Carnevalli - MTb. 25.085 • Repórter: Fernando Bóris;
Revisão: Angelo Sarubbi Neto • Ilustrador: Eduardo Baptistão

PROIBIDA A REPRODUÇÃO TOTAL OU PARCIAL DESTAS ENTREVISTAS sem permissão escrita e, quando permitida, desde que citada a fonte. Vedada a memorização e/ou recuperação total ou parcial, bem como a inclusão de qualquer parte da obra em qualquer sistema de processamento de dados. A violação dos Direitos Autorais é punível como crime. Lei nº 6.895 de 17.12.1980 (Cód. Penal) Art. 184 e parágrafos 185 e 186; Lei nº 5.998 de 14.12.1973


Hífen Comunicação
© 1996/2016 - Hífen Comunicação Ltda. - Todos os Direitos Reservados
A marca Sala do Empresário - Programa de Capacitação, Negócios e Estratégia Empresarial
e o direito autoral Pró-Memória Empresarial, são de titularidade de
Hífen Comunicação Editorial e Eventos Ltda.