Home











...



« Memória Empresarial • ANO XXVIII - Ed. 898 (21/06/2009)

Tradição modernizada

Por mais que uma iniciativa empreendedora seja bem sucedida e conquiste todo o reconhecimento possível do mercado, manter a trajetória nesse mesmo nível de estabilidade não é uma tarefa fácil. Muitas vezes, em razão do passar do tempo e das grandes mudanças mercadológicas, é preciso vislumbrar e resgatar as origens que um dia fizeram da empresa uma referência no seu segmento de atuação. No caso de organizações que passam por sucessão familiar, cabe aos herdeiros o reencontro com o passado e a adaptação dessa fórmula de sucesso à dinâmica empresarial do século XXI. Quem decidiu assumir esse compromisso com a sobrevivência e com a longevidade do negócio da família foi Sérgio Marques, diretor do Laboratório Buenos Ayreswww.buenosayres.com.br, uma farmácia de manipulação fundada pelo avô, o farmaceutico natural de Itapeva Álvaro Marques, em 1946, no bairro de Higienópolis, em São Paulo. Com a concorrência das grandes redes de drogarias a partir dos anos 70, ele sentiu a ameaça que poderia levar o esforço dos antepassados por água abaixo e decidiu abraçar a causa de renová-la voltando à prática laboratorial que havia destacado a drogaria durante suas primeiras décadas de atividade. Em depoimento exclusivo, ele relata com entusiasmo como venceu o desafio de chegar a essa solução, fazendo com que a Buenos Ayres voltasse a ter um papel de destaque nacional na fabricação de remédios manipulados.

ADVERSIDADE
"Eu assumi a empresa em um momento dificílimo, há 32 anos, quando começaram a aparecer as grandes redes de drogaria e o processo de manipulação ainda era pouco utilizado. Se hoje a manipulação representa 95% da nossa venda, naquela época ela representava apenas 5%, enquanto 95% eram remédios da indústria farmacêutica. Por isso, não existe muita diferença, a não ser pela qualidade do atendimento aos clientes que, em sua maioria, já sabem o que estão tomando e vão atrás do melhor preço e das condições de pagamento. Aos 18 anos, quando eu me juntei ao meu pai e ao meu avô para administrar a empresa, a situação já estava muito adversa. Pela idade, eles já não tinham mais forças para uma virada radical, e foi então que eu tomei consciência de que precisava fazer algum tipo de transformação para que as pessoas acreditassem que o nosso produto final era diferente daqueles das outras farmácias que já haviam se instalado ao nosso redor."


TRANSFORMAÇÃO
"Precisávamos de uma solução que não fosse cara e que pudesse transformar a nossa imagem. A Buenos Ayres sempre teve o próprio laboratório desde o começo. Antes do processo de industrialização da década de 1960, o meu avô fazia o remédio de acordo com o problema de saúde de cada cliente. Com o boom da industrialização, vieram os grandes laboratórios multinacionais e nacionais que acabaram com a personalização, pois era tudo padronizado. Foi então que eu percebi que a única salvação era tentar focar a manipulação e reativar o laboratório. Fomos procurar os médicos que tinham interesse em manipulação, porque ela possui suas regras. A diferença é que ela personaliza as doses das substâncias de acordo com as necessidades de cada cliente. Outro diferencial positivo é que a manipulação junta as sustâncias, podendo excluir aquelas que causam efeitos colaterais indesejados."


REJUVENESCIMENTO
"Quando decidimos encarar essa nova fase, havia um depósito nos fundos que transformamos em um laboratório grande e conseguimos contratar algumas pessoas antigas que conheciam bem o processo de manipulação. Tivemos que voltar ao passado e comprar o mínimo possível para recomeçar. A partir dessa mudança, eu e a minha irmã farmacêutica fomos bater à porta dos médicos para dizer que tínhamos o que eles precisavam receitar nas dosagens certas com qualidade e organização. Hoje, temos cinco laboratórios dentro da farmácia e empregamos cerca de 600 funcionários nesse prédio de 4.000 metros quadrados, onde atendemos mais de 2.000 clientes por dia , sempre com o foco no produto e no preço. O mais importante para manter a tradição é que as pessoas saibam que a Buenos Ayres nasceu com o meu avô, passou para o meu pai e já está na terceira geração de forma extremamente moderna. Essa junção entre o antigo e o moderno foi essencial para o nosso rejuvenescimento."


« Entrevista Anterior      Próxima Entrevista »
...
Realização:
IMEMO

MANTENEDORES:

Sianet

Candinho Assessoria Contabil

CNS

CRA-SP

Orcose Contabilidade e Assessoria

Hífen Comunicação


Pró-Memória Empresarial© e o Programa de Capacitação, Estratégia e Motivação Empreendedora Sala do Empresário® é uma realização do Instituto da Memória Empresarial (IMEMO) e publicado pela Hífen Comunicação em mais de 08 jornais. Conheça a história do projeto.

Diretor: Dorival Jesus Augusto

Conselho Assessor: Alberto Borges Matias (USP), Alencar Burti, Aparecida Terezinha Falcão, Carlos Sérgio Serra, Dante Matarazzo, Elvio Aliprandi, Irani Cavagnoli, Irineu Thomé, José Serafim Abrantes, Marcos Cobra, Nelson Pinheiro da Cruz, Roberto Faldini e Yvonne Capuano.

Contato: Tel. +55 11 9 9998-2155 – [email protected]

REDAÇÃO
Jornalista Responsável: Maria Alice Carnevalli - MTb. 25.085 • Repórter: Fernando Bóris;
Revisão: Angelo Sarubbi Neto • Ilustrador: Eduardo Baptistão

PROIBIDA A REPRODUÇÃO TOTAL OU PARCIAL DESTAS ENTREVISTAS sem permissão escrita e, quando permitida, desde que citada a fonte. Vedada a memorização e/ou recuperação total ou parcial, bem como a inclusão de qualquer parte da obra em qualquer sistema de processamento de dados. A violação dos Direitos Autorais é punível como crime. Lei nº 6.895 de 17.12.1980 (Cód. Penal) Art. 184 e parágrafos 185 e 186; Lei nº 5.998 de 14.12.1973


Hífen Comunicação
© 1996/2016 - Hífen Comunicação Ltda. - Todos os Direitos Reservados
A marca Sala do Empresário - Programa de Capacitação, Negócios e Estratégia Empresarial
e o direito autoral Pró-Memória Empresarial, são de titularidade de
Hífen Comunicação Editorial e Eventos Ltda.