Home











...



« Memória Empresarial • ANO XXVIII - Ed. 406 (16/01/2000)

A Globalização dos Impostos

Impossível falar em competitividade mundial enquanto a estrutura tributária dos países mais desenvolvidos se mantiver drasticamente diferente da nossa, proporcionando numerosas vantagens à produção e comercialização de produtos. Afinal, globalizar a economia implica também a globalização de um dos componentes mais caros da produção: o tributo. A lógica parece simples, mas o Brasil ainda carece de uma política industrial capaz de contemplar esse aspecto com eficiência, além da compatibilização de financiamentos, prazos de carência e amortização como aqueles praticados em mercados competitivos. Nesse contexto, a pequena empresa desempenha papel primordial, pois não existe nação industrializada sem a sua participação ativa. Por serem mais ágeis do ponto de vista tecnológico e administrativo, as indústrias de menor porte podem especializar-se de acordo com a sua vocação, permitindo que as grandes contem com insumos a custos reduzidos e dentro do padrão de qualidade exigido hoje. Quem analisa a situação e alerta, em depoimento exclusivo, para a disputa entre Brasil e Estados Unidos com o advento do Mercado de Livre Comércio das Américas (Alca), é Luís Carlos Delben Leite, presidente da Associação Brasileira das Indústrias de Máquinas (Abimaq) – www.abimaq.org.br – e do Sindicato das Indústrias de Máquinas (Sindimaq).

FOCO
"Em primeiro lugar, a pequena indústria deve buscar, de forma muito bem colocada, o seu mercado-alvo e, a partir dessa definição, conferir o máximo de eficiência à sua produção, desde as normas técnicas necessárias ao desenvolvimento de produtos de qualidade, passando pelos processos mais apurados possíveis de acordo com técnicas modernas de gestão. Deve também dar aos seus recursos humanos condições favoráveis em termos de ambiente de trabalho e de preparação, fornecendo cursos de instrução e orientação. Outro fator importante seria procurar matérias-primas, insumos e componentes mais baratos em todas as partes do mundo, deixando, assim, de ficar restrita apenas ao mercado nacional, uma vez que a questão custo é fundamental. No entanto, o limite do custo é a qualidade, e é em cima dessa relação que devem ser estabelecidas as estratégias comerciais e de marketing adequadas à conquista de uma escala econômica de produção com metas competitivas dentro e fora do território brasileiro."

AMEAÇA AMERICANA
"Nossas empresas de pequeno e médio portes ainda precisam esforçar-se muito para integrar o mundo globalizado e, especialmente, para não serem engolidas pela economia mais eficiente do Planeta, a americana, com a chegada da Alca, que passa a vigorar em 1º de janeiro de 2005. Esses quatro anos são um espaço de tempo extremamente curto para a indústria, que precisa preparar recursos humanos, modificar projetos e, às vezes, até mesmo redirecionar seu foco, desenvolver projetos e investir em equipamentos. Tudo isso de forma simultânea e em condições econômicas adversas. Tínhamos que ter começado há cinco anos, agora o jeito é correr para tirar o atraso. O Mercosul hoje é um dado importante para o segmento industrial brasileiro, pois consome em torno de 25% das nossas exportações, mas, quando houver a integração efetiva do continente americano, ele vai passar a fazer parte do todo, tendo cumprido o seu papel."

SUPORTE
"A Abimaq possui atualmente cerca de 1,4 mil associados em todo o Brasil, dentro de um universo global de 4,5 mil empresas. O trabalho que desenvolvemos é bastante abrangente, visando dar apoio a todas as empresas fabricantes de bens de capital e de máquinas e equipamentos. Para isso, criamos recentemente doze diretorias capazes de funcionar como instrumentos para uma ampla e rápida modernização. Isso inclui uma série de ações, que vão desde a formulação de normas técnicas até a oferta de consultorias específicas para o desenvolvimento de processos e produtos. Essas consultorias ficam disponíveis na associação, imbuídas da missão de resolver o problema trazido pelo associado, seja ele de solução simples e imediata, seja de uma complexidade que requeira uma análise maior, bem como a consulta de várias fontes de tecnologia em busca da resolução mais acertada."


« Entrevista Anterior      Próxima Entrevista »
...
Realização:
IMEMO

MANTENEDORES:

CRA-SP

Orcose Contabilidade e Assessoria

Sianet

Candinho Assessoria Contabil

CNS

Hífen Comunicação


Pró-Memória Empresarial© e o Programa de Capacitação, Estratégia e Motivação Empreendedora Sala do Empresário® é uma realização do Instituto da Memória Empresarial (IMEMO) e publicado pela Hífen Comunicação em mais de 08 jornais. Conheça a história do projeto.

Diretor: Dorival Jesus Augusto

Conselho Assessor: Alberto Borges Matias (USP), Alencar Burti, Aparecida Terezinha Falcão, Carlos Sérgio Serra, Dante Matarazzo, Elvio Aliprandi, Irani Cavagnoli, Irineu Thomé, José Serafim Abrantes, Marcos Cobra, Nelson Pinheiro da Cruz, Roberto Faldini e Yvonne Capuano.

Contato: Tel. +55 11 9 9998-2155 – [email protected]

REDAÇÃO
Jornalista Responsável: Maria Alice Carnevalli - MTb. 25.085 • Repórter: ;
Revisão: Angelo Sarubbi Neto • Ilustrador: Eduardo Baptistão

PROIBIDA A REPRODUÇÃO TOTAL OU PARCIAL DESTAS ENTREVISTAS sem permissão escrita e, quando permitida, desde que citada a fonte. Vedada a memorização e/ou recuperação total ou parcial, bem como a inclusão de qualquer parte da obra em qualquer sistema de processamento de dados. A violação dos Direitos Autorais é punível como crime. Lei nº 6.895 de 17.12.1980 (Cód. Penal) Art. 184 e parágrafos 185 e 186; Lei nº 5.998 de 14.12.1973


Hífen Comunicação
© 1996/2016 - Hífen Comunicação Ltda. - Todos os Direitos Reservados
A marca Sala do Empresário - Programa de Capacitação, Negócios e Estratégia Empresarial
e o direito autoral Pró-Memória Empresarial, são de titularidade de
Hífen Comunicação Editorial e Eventos Ltda.