Home











...



« Memória Empresarial • ANO XXVIII - Ed. 421 (30/04/2000)

O Detalhe Que Conquista

Os especialistas em administração e em gerenciamento não se cansam de indicar a tecnologia e a qualidade como os fatores determinantes do sucesso empresarial na economia globalizada. Sem dúvida nenhuma, fica difícil imaginar uma empresa bem-sucedida nos dias de hoje que não esteja em dia com os avanços tecnológicos ou que não seja capaz de oferecer boas opções aos seus clientes. Porém, o mercado exige muito mais do que isso, dando sempre preferência àqueles que se preocupam em conquistar seu espaço pelo cuidado visual na apresentação de produtos e de ambientes comerciais. Essa é a tônica da mensagem de Roberto Duailibi, diretor da DPZ Propagandawww.dpz.com.br, em depoimento exclusivo.

DESIGN
"A atitude comodista de empresários que se contentam com aquilo que estão ganhando, sem grandes ambições, com medo de investir, de abrir a sociedade, vai deixando-os para trás, o que é uma pena. O comércio é algo muito dinâmico, é preciso estar atento o tempo todo com o objetivo de chamar a atenção, de se tornar conhecido, de saber como chegar com mais intensidade e com maior freqüência aos consumidores. Uma área fundamental que é muito negligenciada nesse sentido é a do design, e foi por onde as organizações estrangeiras começaram a atacar as brasileiras. É impressionante a quantidade de produtos mal projetados industrialmente em nível nacional. No que se refere à identificação visual, muitas vezes as empresas investem na aquisição das melhores máquinas, têm acesso a feiras no exterior, treinam toda uma equipe de vendas, mas se esquecem dessa parte estética, porque não é uma tradição cultural nossa. Viemos de uma cultura em que a floresta era chamada de mato, e de lá vinham todos os perigos, o que tornou os jardins um luxo da aristocracia européia. A preocupação ambiental ainda é uma idéia recente por aqui."

PRECONCEITO
"Muita gente perde-se por não valorizar aquilo que é bonito e agradável esteticamente. Existe até mesmo uma espécie de preconceito no Brasil de que uma loja bonita amedronta o consumidor, o que acabou causando a proliferação de botecos e de pequenos comércios de mau aspecto. Por mais pobres e menos educadas que sejam, as pessoas têm uma apreciação inata pela beleza, é próprio da criatura humana. Quem optou pelo caminho da valorização da aparência, das cores, do nome, da marca, do logotipo, da fachada, certamente se deu bem. Trata-se de um investimento importante e que não custa muito, basta ter bom gosto. Além disso, o empresário deve ter um controle preciso dos seus custos, o que está cada vez mais fácil por causa das planilhas eletrônicas, visando oferecer, com segurança, um bom serviço a um preço competitivo. Esse é outro aspecto a ser explorado, pois as diferenças de preço que observamos de uma loja para outra só são possíveis exatamente pela falta de informação e pelo isolamento provocado pela cultura inflacionária. Uma nação se faz por meio da sua moeda, e, se nós tivermos uma moeda forte o suficiente numa inflação controlada, como já estamos tendo, vamos mudar os hábitos do comércio drasticamente."

DISTRIBUIÇÃO
"As verbas investidas nas atrações dos portais eletrônicos já constituem, somadas, a segunda maior verba brasileira depois do próprio varejo, mas a grande revolução será quando o e-commerce se espalhar por todo o território. Ninguém está prestando muita atenção à área de distribuição, que vai crescer na mesma velocidade, gerando emprego para milhões de pessoas. Nós corremos um sério risco aqui de ter um monopólio nessa área com a aprovação da Lei Postal. Aí sim, vai haver um gargalo terrível, que pode ser um desastre para o futuro do País. Se querem impedir que as empresas estrangeiras dominem o setor, então que tomem medidas específicas para favorecer as organizações brasileiras. Principalmente no caso de economias em desenvolvimento como a nossa, os interesses nacionais têm que ser preservados, mas não à custa de monopólio e muito menos de uma empresa pública, pois esse não é o caminho que imaginamos para o Brasil."


« Entrevista Anterior      Próxima Entrevista »
...
Realização:
IMEMO

MANTENEDORES:

Candinho Assessoria Contabil

CNS

CRA-SP

Orcose Contabilidade e Assessoria

Sianet

Hífen Comunicação


Pró-Memória Empresarial© e o Programa de Capacitação, Estratégia e Motivação Empreendedora Sala do Empresário® é uma realização do Instituto da Memória Empresarial (IMEMO) e publicado pela Hífen Comunicação em mais de 08 jornais. Conheça a história do projeto.

Diretor: Dorival Jesus Augusto

Conselho Assessor: Alberto Borges Matias (USP), Alencar Burti, Aparecida Terezinha Falcão, Carlos Sérgio Serra, Dante Matarazzo, Elvio Aliprandi, Irani Cavagnoli, Irineu Thomé, José Serafim Abrantes, Marcos Cobra, Nelson Pinheiro da Cruz, Roberto Faldini e Yvonne Capuano.

Contato: Tel. +55 11 3256-3265 – [email protected]

REDAÇÃO
Jornalista Responsável: Maria Alice Carnevalli - MTb. 25.085 • Repórter: ;
Revisão: Lírio C. da Silva • Ilustrador: Eduardo Baptistão

PROIBIDA A REPRODUÇÃO TOTAL OU PARCIAL DESTAS ENTREVISTAS sem permissão escrita e, quando permitida, desde que citada a fonte. Vedada a memorização e/ou recuperação total ou parcial, bem como a inclusão de qualquer parte da obra em qualquer sistema de processamento de dados. A violação dos Direitos Autorais é punível como crime. Lei nº 6.895 de 17.12.1980 (Cód. Penal) Art. 184 e parágrafos 185 e 186; Lei nº 5.998 de 14.12.1973


Hífen Comunicação
© 1996/2016 - Hífen Comunicação Ltda. - Todos os Direitos Reservados
A marca Sala do Empresário - Programa de Capacitação, Negócios e Estratégia Empresarial
e o direito autoral Pró-Memória Empresarial, são de titularidade de
Hífen Comunicação Editorial e Eventos Ltda.