Home











...



« Memória Empresarial • ANO XXVIII - Ed. 287 (05/10/1997)

Como Melhorar a Competitividade

Inexistência de economia de escala e supervalorização da moeda são os dois principais obstáculos que devem ser superados para a indústria brasileira ganhar competitividade e vencer a concorrência no processo de globalização. Enquanto nos EUA, sob o aspecto do faturamento, uma empresa vende o equivalente a três vezes o que investe, no Brasil essa relação é de meia vez, devido à produção insuficiente. Uma parcela do produto brasileiro custa mais caro, porque não temos produção em quantidade que possibilite redução de custos. Para conseguir alcançar escala de produção e tornar-se competitivo com a economia norte-americana, hoje, será imprescindível diluir o custo estrutural do segmento industrial, ou seja, para cada seis, terá que restar apenas o custo correspondente a uma empresa. A análise, no depoimento exclusivo a seguir, é do professor Alberto Borges Matias, da Faculdade de Administração da USP - Tel.: (11) 818-6044 - e sócio da empresa internacional de consultoria Austin Asis. A seu ver, isso já está acontecendo, também, com o setor bancário, de onde sumiram os pequenos bancos de varejo, há apenas alguns poucos estabelecimentos médios e raros grandes, que logo serão menos ainda.

GLOBALIZAÇÃO A SERVIÇO DO BEM-ESTAR
"A globalização econômica deverá ser repensada, à luz dos objetivos nacionais. Antes de abrir-se à economia mundial, a nação deve visar primordialmente a melhora do bem-estar social. Impõe-se saber a necessidade da globalização para alcançar tal objetivo. A resposta, em minha opinião, é que não é preciso globalizar tudo, indiscriminadamente e muito menos da forma como está sendo feita, ou seja, privilegiando com melhores condições o capital estrangeiro. Por exemplo, entre China e Brasil, a diferença de câmbio é de 170% e, em relação às importações americanas, supera os 30%. Nessas condições e com tal diferencial de custos, não adianta exortar o empresário brasileiro a 'ser mais competitivo'. Como ele poderá concorrer? A globalização provoca, também, a redução dramática do valor dos negócios, tornando-se barato ao estrangeiro comprar empresas brasileiras, enquanto o inverso, logicamente, não é freqüente."

O "EQUÍVOCO" MUNDIAL DOS JUROS BAIXOS
"Isso é possível ao capital estrangeiro, porque o custo do dinheiro no País é muito caro. Como se pode concorrer no mercado interno pagando capital de giro a 65%, quando no exterior ele custa 6 ou 7% ao ano? Além do Brasil, só dois países têm taxas de juro tão elevadas: México e Venezuela. Será que somente estes, no mundo, praticam uma política econômica 'correta' e os restantes, incluindo EUA, Alemanha, Japão, até a Argentina, estão 'equivocados'? Essa a conclusão a que se chega... A supervalorização do Real e os juros na estratosfera acontecem em nome de uma política inflacionária com inegáveis resultados positivos. Em fevereiro de 1990, a taxa inflacionária mensal atingiu 84%, porque o governo havia emitido 100% da base monetária. Hoje, em vez de papel-moeda, o governo 'emite' dívida, por isso, a inflação que, antes era monetária, caiu. A dívida pública aumentou US$ 60 bilhões entre 1994 e 1997, simplesmente para cobrir o déficit de caixa do Tesouro Nacional."

DESMONTE DAS ESTRUTURAS PARA EXPORTAÇÕES
"Os problemas estruturais da economia continuam - e piorando. A União, os Estados e os Municípios estão quebrados, e o Banco do Brasil registrou déficit de US$ 8 bilhões em um ano. O lamentável resultado disso tudo é o desmonte das estruturas destinadas às exportações e o sucateamento do parque industrial, que exigiram muitos anos de vultosos investimentos e agora será muito complicado refazer novamente tudo, para gerar empregos. Pode-se constatar, pessoalmente, a atual situação da nossa indústria, transitando-se principalmente pela tradicional Mooca, hoje transformada num 'bairro industrial fantasma'. O mesmo acontece na área agrícola, onde somente o grande produtor tem condições de sobreviver, pois, como o pequeno agricultor poderá tomar empréstimo às taxas absurdas de juro vigentes, produzir e conseguir saldar a dívida? É impossível que se vá provocando continuamente forte desemprego sem haver alguma ruptura no campo sóciopolítico."


« Entrevista Anterior      Próxima Entrevista »
...
Realização:
IMEMO

MANTENEDORES:

CRA-SP

Orcose Contabilidade e Assessoria

Sianet

Candinho Assessoria Contabil

CNS

Hífen Comunicação


Pró-Memória Empresarial© e o Programa de Capacitação, Estratégia e Motivação Empreendedora Sala do Empresário® é uma realização do Instituto da Memória Empresarial (IMEMO) e publicado pela Hífen Comunicação em mais de 08 jornais. Conheça a história do projeto.

Diretor: Dorival Jesus Augusto

Conselho Assessor: Alberto Borges Matias (USP), Alencar Burti, Aparecida Terezinha Falcão, Carlos Sérgio Serra, Dante Matarazzo, Elvio Aliprandi, Irani Cavagnoli, Irineu Thomé, José Serafim Abrantes, Marcos Cobra, Nelson Pinheiro da Cruz, Roberto Faldini e Yvonne Capuano.

Contato: Tel. +55 11 9 9998-2155 – [email protected]

REDAÇÃO
Jornalista Responsável: Angelo Sarubbi Neto - MTb. 8.964 • Repórter: ;
Revisão: Angelo Sarubbi Neto • Ilustrador: Eduardo Baptistão

PROIBIDA A REPRODUÇÃO TOTAL OU PARCIAL DESTAS ENTREVISTAS sem permissão escrita e, quando permitida, desde que citada a fonte. Vedada a memorização e/ou recuperação total ou parcial, bem como a inclusão de qualquer parte da obra em qualquer sistema de processamento de dados. A violação dos Direitos Autorais é punível como crime. Lei nº 6.895 de 17.12.1980 (Cód. Penal) Art. 184 e parágrafos 185 e 186; Lei nº 5.998 de 14.12.1973


Hífen Comunicação
© 1996/2016 - Hífen Comunicação Ltda. - Todos os Direitos Reservados
A marca Sala do Empresário - Programa de Capacitação, Negócios e Estratégia Empresarial
e o direito autoral Pró-Memória Empresarial, são de titularidade de
Hífen Comunicação Editorial e Eventos Ltda.