Home











...



« Memória Empresarial • ANO XXVIII - Ed. 198 (21/01/1996)

Leasing é a Arma do Copista

Copiar documentos é um negócio que se vê em cada esquina e até mesmo em banca de jornal. Mas essa proliferação não atende as crescentes exigências dos clientes, que precisam de tecnologia e atendimento personalizado para conseguir a cópia certa na qualidade adequada. Por isso, a sofisticação e a diversidade de recursos das empresas que se dedicam à evolução desse mercado servem como contraponto ao lugar-comum e impõem-se como tendência principal num universo seletivo.
Quem conta com o esquema tradicional de tirar cópias simples, atendendo o varejo do balcão, precisa mudar para não ser engolido pelo modelo que veio do exterior e está impondo-se no País. Uma das soluções é o leasing de máquinas de variadas procedências e múltiplas funções, que eliminam a ditadura da marca única - uma distorção que fez a palavra xerox tornar-se até sinônimo de cópia. Esse foi o caminho tomado por Ariel Alves de Souza, da AD Cópias Sociedade Civil Ltda. - Tel.: (11) 3284-3533.
Com um parque instalado que chega a encostar no setor gráfico - mas que ainda não se confunde com ele -, Ariel atende não só as pessoas físicas mas também investe no cliente cadastrado, mensalista, que tem uma demanda mais complexa. É por isso que ele atende, entre outras empresas, as grandes construtoras, que precisam de cópias perfeitas para documentos enormes. A seguir, ele fala sobre esse trabalho.

VOCAÇÃO DE COMERCIANTE -
"Existiam duas lojas que tiravam cópias, desde 1975, uma aqui na avenida Paulista, onde estamos até hoje, e outra na Marquês de Itu com Bento Freitas, que já foi vendida. Eu entrei na empresa como administrador, arrendei as lojas por dois anos e, mais tarde, as comprei. Fundei, então, uma firma própria, em 1981, para tocar o negócio. Assumi essa tarefa porque confiava no meu tino de comerciante.
Tinha trabalhado, durante vinte anos, numa empresa inglesa de telecomunicações, onde cheguei a gerente de coordenação industrial. Os ingleses acabaram decepcionando-se com o governo brasileiro e reduziram seu parque industrial. Tivemos que sair, e surgiu essa oportunidade.
Mantive o mesmo ritmo da produção aqui, por muito tempo, até que, no ano passado, fiz uma consulta ao SEBRAE/SP e iniciei meu processo de informatização. Ao mesmo tempo, optei pelo leasing de novos equipamentos, pois, assim, posso jogar tudo nas despesas. Um equipamento próprio, com pagamento à vista, terá, certamente, problemas de correção monetária do Balanço. Nesse caso, o leasing é uma melhor opção, com prestações entre 12 e 60 meses, que são diluídas nas despesas, como aluguel. Tudo isso é possível, graças a uma demanda bem forte, 'com os pés no chão', para garantir o investimento."

DIVERSIDADE TECNOLÓGICA
"O avanço tecnológico e a abertura comercial permitiram que eu diversificasse meu parque industrial de um ano para cá. Atualmente, tenho dois computadores Pentium e um Macintosh, todos ligados a um servidor, a um plotter e a uma impressora Cannon, que imprime cópias coloridas. São, também, ligados a um flipcharter, que faz grandes faixas e panfletos. Temos uma copiadora de engenharia, que amplia e reduz plantas com alta qualidade, e uma copiadora Kodak 3100, com capacidade de cem cópias por minuto, que faz frente e verso e grampeia.
Temos, também, uma Xerox 5390, com velocidade de 135 cópias por minuto, que trabalha um material intercalado, grampeado, apostilado e com colagem. Além disso, temos, ainda, uma máquina de aplicação de camiseta e uma máquina de reprodução heliográfica, entre outros equipamentos. Temos capacidade para 2 milhões de cópias por mês, mas, por enquanto, estamos num nível entre 800 mil e 1 milhão por mês.
Já existem máquinas avançadas que trabalham com quatro cores num processo só, eliminando uma série de operações transitórias. Minha meta para o ano de 1996 é, também, comprar esse tipo de equipamento."

PRIMEIRO, A DEMANDA, DEPOIS, A ESTRUTURA
"É importante, primeiro, criar a necessidade, criar o problema, para, depois, equacioná-lo. Não podemos criar a estrutura e ficar aguardando as coisas acontecerem. Às vezes, o tempo de espera pode comprometer o negócio. Com a demanda, a empresa vai ajustando-se e crescendo. A grande chave é o atendimento, com serviço de qualidade. Grande parcela dos nossos clientes mensalistas foi captada no varejo, no balcão da loja, onde procuramos manter membros da nossa família para administrar o atendimento e os 25 funcionários, que, na maioria, são desenvolvidos e treinados internamente para tarefas do dia-a-dia, evitando os vícios adquiridos no mercado.
Assim, conseguimos conquistar e manter nossa clientela em que figuram bancos, construtoras, engenharias, agências de publicidade, escolas, hospitais, escritórios, entre outros. Atualmente, temos um departamento de vendas, ora sendo desenvolvido, para enfrentar os desafios do mercado, no qual quem for mais criativo terá mais oportunidades."


« Entrevista Anterior      Próxima Entrevista »
...
Realização:
IMEMO

MANTENEDORES:

Sianet

Candinho Assessoria Contabil

CNS

CRA-SP

Orcose Contabilidade e Assessoria

Hífen Comunicação


Pró-Memória Empresarial© e o Programa de Capacitação, Estratégia e Motivação Empreendedora Sala do Empresário® é uma realização do Instituto da Memória Empresarial (IMEMO) e publicado pela Hífen Comunicação em mais de 08 jornais. Conheça a história do projeto.

Diretor: Dorival Jesus Augusto

Conselho Assessor: Alberto Borges Matias (USP), Alencar Burti, Aparecida Terezinha Falcão, Carlos Sérgio Serra, Dante Matarazzo, Elvio Aliprandi, Irani Cavagnoli, Irineu Thomé, José Serafim Abrantes, Marcos Cobra, Nelson Pinheiro da Cruz, Roberto Faldini e Yvonne Capuano.

Contato: Tel. +55 11 9 9998-2155 – [email protected]

REDAÇÃO
Jornalista Responsável: Nei Carvalho Duclós - MTb. 2.177.865 • Repórter: ;
Revisão: Angelo Sarubbi Neto • Ilustrador: Eduardo Baptistão

PROIBIDA A REPRODUÇÃO TOTAL OU PARCIAL DESTAS ENTREVISTAS sem permissão escrita e, quando permitida, desde que citada a fonte. Vedada a memorização e/ou recuperação total ou parcial, bem como a inclusão de qualquer parte da obra em qualquer sistema de processamento de dados. A violação dos Direitos Autorais é punível como crime. Lei nº 6.895 de 17.12.1980 (Cód. Penal) Art. 184 e parágrafos 185 e 186; Lei nº 5.998 de 14.12.1973


Hífen Comunicação
© 1996/2016 - Hífen Comunicação Ltda. - Todos os Direitos Reservados
A marca Sala do Empresário - Programa de Capacitação, Negócios e Estratégia Empresarial
e o direito autoral Pró-Memória Empresarial, são de titularidade de
Hífen Comunicação Editorial e Eventos Ltda.