Home











...



« Memória Empresarial • ANO XXVIII - Ed. 233 (22/09/1996)

O Ponto Fraco das Pequenas Empresas

Ao contrário do que geralmente se pensa, os principais problemas das micro, pequenas e médias empresas não se resumem à insuficiência de recursos financeiros. Na verdade, 80% dos problemas que os empresários desse segmento enfrentam são de natureza estratégica e os restantes 20%, aproximadamente, podem ser considerados de caráter organizacional. O diagnóstico desmistifica as queixas mais comuns dos empresários - constantemente registradas na mídia - de que, devido ao tratamento desigual que elas recebem do sistema bancário, em comparação com as grandes empresas, elas não obtém recursos.
Essa constatação não é fruto de simples opinião pessoal ou de tese acadêmica, mas resulta de pesquisa de campo realizada em 101 empresas dos setores comercial, industrial e de serviços pelo professor Adelino De Bortoli Neto, professor da Faculdade de Economia e Administração da Universidade de São Paulo, responsável pelo Programa de Formação de Consultores (Foco), realizado pela USP.

AS CAUSAS NÃO SÃO PERCEBIDAS

"Não obstante ela tenha sido iniciada há cerca de dez anos, a situação então verificada continua hoje a prevalecer de maneira idêntica ou até com maior intensidade do que anteriormente, conforme podemos observar em acompanhamento permanente do segmento. Os fatores que comprometem os resultados de uma empresa de pequeno e médio portes escapam, muitas vezes, à percepção do empresário, apesar de sua intimidade com as rotinas e processos desenvolvidos pelo empreendimento. Eles conseguem detectar apenas sintomas e manifestações dos problemas das empresas, sem estabelecer, porém, relações causais com seus determinantes.
Os problemas empresariais compreendem um inter-relacionamento de causa e efeito: o fator desencadeante de um problema pode ser efeito de outro, encontrando-se ao final dessa cadeia um único problema nuclear. Dessa forma, os empresários têm sido levados a combater os sintomas que saltam aos olhos, negligenciando as verdadeiras causas."

PROBLEMAS ESTRATÉGICOS MAIS COMUNS

"Nas empresas pesquisadas, 82 apresentaram problemas de inadequação na escolha e utilização dos recursos disponíveis (problemas estratégicos) e apenas 19 indicaram ter insuficiência de recursos, correspondendo, respectivamente, aos percentuais de 81,2 e 18,8%. As empresas comerciais são as que mais se ressentem dessas deficiências: 80% delas apresentam estratégias de atuação incompatíveis. Por exemplo, a composição excessiva e/ou o desequilíbrio quantitativo ou qualitativo de itens do estoque é o maior problema das pequenas e médias empresas comerciais.
Os efeitos de tal desequilíbrio estendem-se, também, a outras áreas da empresa. Há casos em que a empresa chega a perder clientes por falta de certas mercadorias, apesar de manter estoque com grande variedade de itens, porém de baixa movimentação. Outra conseqüência inevitável dessa imobilização de recursos é a falta de capital de giro.
Nas empresas industriais, a área de vendas encerra os mais sérios problemas, como estrutura de preços rígida, devido à não realização de descontos por quantidade e inadequação na linha de produtos, que representam 73% das deficiências (no setor de serviços alcança 81%...). Seus efeitos são tanto a queda do volume de vendas quanto também o menor índice de lucratividade."

COMO RESOLVER ?
"Os recursos à disposição da administração, não sendo adequados, além de alocados e utilizados de forma insatisfatória, impedem que a empresa alcance harmoniosamente seus objetivos básicos, que definimos por LEE (Lucro, Expansão qualitativa e quantitativa de vendas e Estabilidade financeira).
Estando as decisões de ordem estratégica estritamente relacionadas à conduta do empresário, a maioria das dificuldades das micro e pequenas empresas pode ser resolvida apenas com novas orientações nas decisões.
Muitos empresários atribuem seu insucesso a fatores exógenos - inflação, custo de mão-de-obra, tributos etc. - esquecendo-se que, muitas vezes, as dificuldades decorrem de sua forma equivocada de agir. Assim, qualquer programa de apoio deve privilegiar o treinamento do empresário, para modificar a maneira de administrar recursos limitados."


« Entrevista Anterior      Próxima Entrevista »
...
Realização:
IMEMO

MANTENEDORES:

CRA-SP

Orcose Contabilidade e Assessoria

Sianet

Candinho Assessoria Contabil

CNS

Hífen Comunicação


Pró-Memória Empresarial© e o Programa de Capacitação, Estratégia e Motivação Empreendedora Sala do Empresário® é uma realização do Instituto da Memória Empresarial (IMEMO) e publicado pela Hífen Comunicação em mais de 08 jornais. Conheça a história do projeto.

Diretor: Dorival Jesus Augusto

Conselho Assessor: Alberto Borges Matias (USP), Alencar Burti, Aparecida Terezinha Falcão, Carlos Sérgio Serra, Dante Matarazzo, Elvio Aliprandi, Irani Cavagnoli, Irineu Thomé, José Serafim Abrantes, Marcos Cobra, Nelson Pinheiro da Cruz, Roberto Faldini e Yvonne Capuano.

Contato: Tel. +55 11 9 9998-2155 – [email protected]

REDAÇÃO
Jornalista Responsável: Angelo Sarubbi Neto - MTb. 8.964 • Repórter: ;
Revisão: Angelo Sarubbi Neto • Ilustrador: Eduardo Baptistão

PROIBIDA A REPRODUÇÃO TOTAL OU PARCIAL DESTAS ENTREVISTAS sem permissão escrita e, quando permitida, desde que citada a fonte. Vedada a memorização e/ou recuperação total ou parcial, bem como a inclusão de qualquer parte da obra em qualquer sistema de processamento de dados. A violação dos Direitos Autorais é punível como crime. Lei nº 6.895 de 17.12.1980 (Cód. Penal) Art. 184 e parágrafos 185 e 186; Lei nº 5.998 de 14.12.1973


Hífen Comunicação
© 1996/2016 - Hífen Comunicação Ltda. - Todos os Direitos Reservados
A marca Sala do Empresário - Programa de Capacitação, Negócios e Estratégia Empresarial
e o direito autoral Pró-Memória Empresarial, são de titularidade de
Hífen Comunicação Editorial e Eventos Ltda.