Home











...



« Memória Empresarial • ANO XXVIII - Ed. 516 (24/02/2002)

O Choque da Mobilização

Está na hora de os dirigentes empresariais de todos os portes e segmentos conscientizarem-se da necessidade de repensar a sua forma de participação junto das entidades de classe representativas do setor. Criticar a distância ou enviar representantes apenas para marcar presença é muito fácil, mas de nada adianta para a resolução de medidas que possam impulsionar o desenvolvimento do empreendedorismo no Brasil rumo a novos mercados. Esse excesso de comodismo, bem como a imobilidade de grande parte dos empresários brasileiros, reféns dentro dos seus próprios escritórios da burocracia e dos cálculos sobre os elevados encargos tributários que incidem sobre os seus negócios, pode sair caro e causar prejuízos que já poderiam estar sendo evitados se houvesse mais união e um comprometimento maior em conciliar interesses. Quem faz o alerta geral é Elvio Aliprandi, diretor da Iara Indústria e Comércio Ltda. - www.iara.com.br - e ex-presidente da Associação Comercial de São Paulo (ACSP) e da Federação das Associações Comerciais do Estado de São Paulo (Facesp). Em depoimento exclusivo, ele conta uma trajetória bem-sucedida como um dos principais líderes com larga experiência em mobilização empresarial, servindo de modelo e inspiração àqueles que realmente querem fazer a diferença.

POLÍTICA INDUSTRIAL
"Nós não temos uma política industrial definida, porque somos hoje um mercado globalizado e, dentro desse contexto, temos diversos sistemas de protecionismo, de subsídios e de sobretaxas. Do jeito que está, o industrial recebe a matéria-prima, olha para ela e já está pagando imposto sem nem ter gerado ainda o produto. Atualmente, o empresário, que deveria estar desenvolvendo a sua indústria para ter tecnologia, qualidade e baixo custo, virou um burocrata atrás da sua mesa, administrando essa parafernália, que são os impostos. Mas o desenvolvimento de uma política industrial para o Brasil vai além das reformas tributária e fiscal, pois deve envolver também aspectos complexos, como segurança com relação aos roubos de carga e melhora dos sistemas de transporte em geral. Até hoje não se cumpriu o artigo da Constituição que determina um tratamento diferenciado às micro e pequenas empresas. O empresário de pequeno porte dificilmente tem acesso ao sistema financeiro, além de sofrer uma pressão violenta por parte de uma fiscalização punitiva e não orientadora, como deveria ser."

LIDERANÇA
"Precisamos admitir que o Brasil não possui ainda uma mentalidade empresarial à altura de se mobilizar e dar sustentação a um governo para as modificações que se fazem necessárias. Não se consegue mobilizar a classe empresarial junto com a classe trabalhadora, e essa separação entre o trabalho e o capital já não existe mais. Falta uma liderança empresarial mais forte e também a conscientização da necessidade de se mobilizar. Mobilização empresarial significa estarmos todos presentes exigindo aquilo a que temos direito para dar sustentação aos Poderes Legislativo e Executivo. Cabe ao governo fazer o papel de mediador nesse trabalho, com o fornecimento de dados passo a passo para que possamos conseguir fazer uma política industrial adequada. Existe certo comodismo à medida que os empresários querem que as coisas aconteçam, mas alguém tem que fazer por eles."

COMPROMETIMENTO
"Não existe fórmula mágica para resolver todos os problemas de uma só vez. A experiência mostra que, para cada assunto, deve ser formado um grupo de trabalho pela iniciativa privada e pelo governo que queira trabalhar de fato e sem dispersão. Tem que ter a seriedade de assumir o compromisso e de estabelecer um cronograma para chegar lá, com cobrança e acompanhamento. Cabe à Associação Comercial de São Paulo, como a entidade paulista mais antiga, continuar a exigir certas atitudes do governo e formar a união de todas as outras entidades brasileiras para que possa ocorrer uma modificação radical dos procedimentos que temos hoje. Isso implica inicialmente que a reforma político-partidária saia do papel por meio do voto misto e da fidelidade partidária. Isso vai gerar uma estrutura capaz de garantir uma base de sustentação para a aprovação de todas as outras medidas necessárias ao crescimento empresarial."


« Entrevista Anterior      Próxima Entrevista »
...
Realização:
IMEMO

MANTENEDORES:

CRA-SP

Orcose Contabilidade e Assessoria

Sianet

Candinho Assessoria Contabil

CNS

Hífen Comunicação


Pró-Memória Empresarial© e o Programa de Capacitação, Estratégia e Motivação Empreendedora Sala do Empresário® é uma realização do Instituto da Memória Empresarial (IMEMO) e publicado pela Hífen Comunicação em mais de 08 jornais. Conheça a história do projeto.

Diretor: Dorival Jesus Augusto

Conselho Assessor: Alberto Borges Matias (USP), Alencar Burti, Aparecida Terezinha Falcão, Carlos Sérgio Serra, Dante Matarazzo, Elvio Aliprandi, Irani Cavagnoli, Irineu Thomé, José Serafim Abrantes, Marcos Cobra, Nelson Pinheiro da Cruz, Roberto Faldini e Yvonne Capuano.

Contato: Tel. +55 11 9 9998-2155 – [email protected]

REDAÇÃO
Jornalista Responsável: Maria Alice Carnevalli - MTb. 25.085 • Repórter: Fernando Bóris;
Revisão: Angelo Sarubbi Neto • Ilustrador: Eduardo Baptistão

PROIBIDA A REPRODUÇÃO TOTAL OU PARCIAL DESTAS ENTREVISTAS sem permissão escrita e, quando permitida, desde que citada a fonte. Vedada a memorização e/ou recuperação total ou parcial, bem como a inclusão de qualquer parte da obra em qualquer sistema de processamento de dados. A violação dos Direitos Autorais é punível como crime. Lei nº 6.895 de 17.12.1980 (Cód. Penal) Art. 184 e parágrafos 185 e 186; Lei nº 5.998 de 14.12.1973


Hífen Comunicação
© 1996/2016 - Hífen Comunicação Ltda. - Todos os Direitos Reservados
A marca Sala do Empresário - Programa de Capacitação, Negócios e Estratégia Empresarial
e o direito autoral Pró-Memória Empresarial, são de titularidade de
Hífen Comunicação Editorial e Eventos Ltda.