Home











...



« Memória Empresarial • ANO XXVIII - Ed. 747 (30/07/2006)

Garantia Registrada

Depois de acumular cerca de 600 mil processos de registros de marcas, o Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI) iniciou recentemente a implementação de um sistema eletrônico de depósitos de marcas para agilizar o processo, na tentativa de reduzir de seis para um ano a liberação dos pedidos. Essa iniciativa pode marcar o início de nova fase de conscientização da classe empresarial brasileira sobre a importância de ter um nome ou uma invenção assegurados como propriedade. Em um mercado altamente competitivo, marcado pela concorrência com a informalidade e com o oportunismo, a primeira providência a ser tomada para proteger um negócio ou um produto é registrá-lo devidamente junto aos órgãos responsáveis. Quem alerta para o perigo de deixar essa providência para depois é o advogado Renato Catapani, da Alcântara Catapani Marcas & Patentes – e-mail: [email protected] – Tel.: (11) 5581-7204. Em depoimento exclusivo, o especialista em direito intelectual e em propriedade industrial esclarece dúvidas sobre o registro e a manutenção de marcas e de patentes, além de orientar sobre os procedimentos necessários para a execução dessa tarefa.

OBRIGATORIEDADE
"O registro da marca e da patente deveria ser obrigatório, embora ainda seja esporádico. Trata-se de um equívoco legislativo, porque o empresário brasileiro, por falta de orientação e de conhecimento técnico específico, inicia na prática para depois se proteger do ponto de vista legal. Quando ele percebe, pode ser tarde, pois existem os oportunistas que ficam observando como o mercado funciona, quem está desenvolvendo atividades que estão em alta e deixam de proteger seus próprios direitos de propriedade. Em muitos casos, essas pessoas encaminham os requerimentos de registro do negócio de terceiros e procuram dar entrada na marca. Quando o verdadeiro criador for tentar efetuar o registro, vai encontrar sérios problemas, ficando submetido a negociações e, muitas vezes, até ao pagamento por uma invenção ou marca que ele próprio lançou e deixou de registrar."

CORRENTE
"A marca é o nome pelo qual o produto ou serviço passa a ser conhecido junto ao público consumidor e a patente é característica da atividade inventiva, inclusive de melhoria de algo já conhecido e de desenhos de uma infinidade de produtos. O empresário que dirige uma empresa que envolva marcas e patentes deve, em primeiro lugar, ter objetividade no lançamento de um produto ou serviço e ter noção do quanto aquilo pode estender-se. A pessoa precisa saber o que vai lançar ou o que vai fazer no mercado. Na seqüência, deve abrir o leque para que essa busca seja feita de forma responsável, com noção administrativa e jurídica. Após isso, dependendo do resultado, deve proceder o pedido da marca, que vai levar algum tempo para ser liberada, mas a partir da entrada, ele já tem a prioridade temporal contra terceiros, e o mesmo acontece em relação aos que já se asseguraram antes dele. É uma corrente, mas deve-se primeiro fazer essa pesquisa para depois entrar com o pedido da marca, dependendo da atividade. Muitas vezes, ocorre o contrário. O empreendedor lança o produto ou serviço e, quando vai fazer o registro, já encontra problemas."

PATRIMÔNIO
"A marca ou a patente deve ser registrada antes mesmo de qualquer iniciativa empreendedora e de reuniões para lançamentos de produtos ou serviços. Deve-se proceder à busca e o registro antes de qualquer tipo de divulgação. A partir do momento em que o dirigente empresarial procedeu a uma busca idônea e deu entrada no pedido de registro da marca, ele tem a garantia daquele nome, daquela palavra que vai identificar um produto ou um serviço, ou seja, a garantia de exclusividade. Não se pode correr o risco de investir não apenas dinheiro, mas a própria vida em algo que não tem proteção alguma. A garantia é o registro, pois o maior patrimônio de uma empresa é a marca. Toda grande marca já foi pequena e foi sendo desenvolvida, o que torna tão importante a orientação empresarial desde cedo. O melhor caminho para se informar sobre os procedimentos de registros de marcas e de patentes é procurar alguém confiável que reúna as condições para saber todos os aspectos que envolvem essa questão."


« Entrevista Anterior      Próxima Entrevista »
...
Realização:
IMEMO

MANTENEDORES:

CRA-SP

Orcose Contabilidade e Assessoria

Sianet

Candinho Assessoria Contabil

CNS

Hífen Comunicação


Pró-Memória Empresarial© e o Programa de Capacitação, Estratégia e Motivação Empreendedora Sala do Empresário® é uma realização do Instituto da Memória Empresarial (IMEMO) e publicado pela Hífen Comunicação em mais de 08 jornais. Conheça a história do projeto.

Diretor: Dorival Jesus Augusto

Conselho Assessor: Alberto Borges Matias (USP), Alencar Burti, Aparecida Terezinha Falcão, Carlos Sérgio Serra, Dante Matarazzo, Elvio Aliprandi, Irani Cavagnoli, Irineu Thomé, José Serafim Abrantes, Marcos Cobra, Nelson Pinheiro da Cruz, Roberto Faldini e Yvonne Capuano.

Contato: Tel. +55 11 9 9998-2155 – [email protected]

REDAÇÃO
Jornalista Responsável: Maria Alice Carnevalli - MTb. 25.085 • Repórter: Fernando Bóris;
Revisão: Angelo Sarubbi Neto • Ilustrador: Eduardo Baptistão

PROIBIDA A REPRODUÇÃO TOTAL OU PARCIAL DESTAS ENTREVISTAS sem permissão escrita e, quando permitida, desde que citada a fonte. Vedada a memorização e/ou recuperação total ou parcial, bem como a inclusão de qualquer parte da obra em qualquer sistema de processamento de dados. A violação dos Direitos Autorais é punível como crime. Lei nº 6.895 de 17.12.1980 (Cód. Penal) Art. 184 e parágrafos 185 e 186; Lei nº 5.998 de 14.12.1973


Hífen Comunicação
© 1996/2016 - Hífen Comunicação Ltda. - Todos os Direitos Reservados
A marca Sala do Empresário - Programa de Capacitação, Negócios e Estratégia Empresarial
e o direito autoral Pró-Memória Empresarial, são de titularidade de
Hífen Comunicação Editorial e Eventos Ltda.