Home











...



« Memória Empresarial • ANO XXVIII - Ed. 809 (07/10/2007)

O Passado como Alicerce

Untitled Page

Entender o dinamismo do desenvolvimento empresarial no Brasil e no mundo não é uma tarefa fácil para aqueles que estão começando a construir uma trajetória empreendedora. Muito menos para quem já atravessou quase um século de existência, passando por todas as transformações econômicas e globais com base na prática diária. Porém, quando uma organização se destaca pela seriedade e pelo compromisso com seus funcionários e clientes no decorrer de setenta anos de atividades, a estrutura que norteou seu caminho no passado passa a ser essencial na descoberta do foco mais adequado em termos de novos mercados, aliada aos mais recentes avanços das técnicas de gestão administrativa. Um grande exemplo nesse sentido hoje é a Plásticos Mueller S.A. Ind. e Com., fundada na década de 30 pelos irmãos Mueller e pouco tempo depois adquirida por Frederico Jacob, um judeu alemão refugiado da Segunda Guerra Mundial que, com a ajuda de um sócio investidor, encontrou em solo brasileiro a oportunidade para refazer sua vida. Em depoimento exclusivo e repleto de histórias comoventes, Ricardo Max Jacob, atual presidente da empresa, sobrinho e herdeiro do fundador – www.mueller.com.br – relata essa verdadeira saga de sucesso no setor de injeção de plásticos na indústria automobilística e no segmento de informática, sendo a primeira empresa de manufatura de plásticos no país em fase de patentear processos que utilizam plásticos com nanotecnologia.

AUTODIDATA
“Quando assumi a empresa em 1986, em razão do falecimento do meu tio, que trabalhou até o último dia, eu era um técnico especializado em plásticos e na manufatura de produtos à base desse material. Acabei tornando-me um autodidata como empresário à medida que comecei a procurar a melhor forma de gestão, criando os meus próprios parâmetros para saber como estava o negócio na tentativa de administrá-lo da melhor maneira possível, até poder montar uma estrutura industrial adequada aos novos tempos. Para isso, sempre procurei cercar-me de pessoas capazes de contribuir para a nossa sobrevivência no mercado, com o objetivo de criar uma estrutura organizacional que realmente propiciasse um desenvolvimento contínuo. Outro aspecto importante foi a busca de parcerias internacionais, que também nos ajudaram muito a enxergar melhor as principais estratégias da rotina corporativa.”

NOVO ESPECTRO
“Hoje, somos uma empresa que desenvolve tecnologia e poderá, em curto prazo, exportar tecnologia em vez de comprá-la de outros países, além de termos parcerias muito fortes com universidades. No passado, a nossa atividade produtiva estava muito esfacelada, pois fabricávamos produtos para a indústria de brinquedos, de artigos domésticos, de embalagens e de automóveis, entre outros segmentos de mercado. Atualmente, estamos centrados em dois nichos: na indústria automobilística e no segmento de informática. Com base nesse foco, definimos o que utilizar e o que pesquisar do ponto de vista tecnológico, para que possamos oferecer aos nossos clientes matérias-primas melhores, com barateamento dos custos e com resultados muito bons. Realizamos todas as experiências em laboratórios especializados até chegarmos ao produto final esperado. Nesse sentido, a tradição da Mueller funciona como o alicerce facilitador para tudo aquilo que pretendemos desenvolver daqui para a frente.”

TECNOLOGIA
“Somos também a primeira empresa brasileira considerada ‘sistemista’ entre as grandes multinacionais, quebrando um tabu de muitos anos. Até agora, todas as outras eram internacionais. Elas montam o sistema e os entregam prontos para as grandes montadoras. A Mueller está produzindo o painel inteiro, exceto os componentes eletrônicos, para ser encaixado direto nas linhas de montagem, sem que haja a necessidade de montar peça por peça, porque já nos preparamos e nos especializamos para fazer isso. A atual administração, que representa a terceira geração de um processo de sucessão familiar, criou o Centro Técnico de Desenvolvimento e Tecnologia Mueller, que fica sob os cuidados de um físico PhD. Eu acompanho cada passo, porque gosto muito de conhecer novos conceitos de fabricação. Essa preocupação com o desenvolvimento tecnológico foi fundamental para o reconhecimento mundial.”


« Entrevista Anterior      Próxima Entrevista »
...
Realização:
IMEMO

MANTENEDORES:

CRA-SP

Orcose Contabilidade e Assessoria

Sianet

Candinho Assessoria Contabil

CNS

Hífen Comunicação


Pró-Memória Empresarial© e o Programa de Capacitação, Estratégia e Motivação Empreendedora Sala do Empresário® é uma realização do Instituto da Memória Empresarial (IMEMO) e publicado pela Hífen Comunicação em mais de 08 jornais. Conheça a história do projeto.

Diretor: Dorival Jesus Augusto

Conselho Assessor: Alberto Borges Matias (USP), Alencar Burti, Aparecida Terezinha Falcão, Carlos Sérgio Serra, Dante Matarazzo, Elvio Aliprandi, Irani Cavagnoli, Irineu Thomé, José Serafim Abrantes, Marcos Cobra, Nelson Pinheiro da Cruz, Roberto Faldini e Yvonne Capuano.

Contato: Tel. +55 11 9 9998-2155 – [email protected]

REDAÇÃO
Jornalista Responsável: Maria Alice Carnevalli - MTb. 25.085 • Repórter: Fernando Bóris;
Revisão: Angelo Sarubbi Neto • Ilustrador: Eduardo Baptistão

PROIBIDA A REPRODUÇÃO TOTAL OU PARCIAL DESTAS ENTREVISTAS sem permissão escrita e, quando permitida, desde que citada a fonte. Vedada a memorização e/ou recuperação total ou parcial, bem como a inclusão de qualquer parte da obra em qualquer sistema de processamento de dados. A violação dos Direitos Autorais é punível como crime. Lei nº 6.895 de 17.12.1980 (Cód. Penal) Art. 184 e parágrafos 185 e 186; Lei nº 5.998 de 14.12.1973


Hífen Comunicação
© 1996/2016 - Hífen Comunicação Ltda. - Todos os Direitos Reservados
A marca Sala do Empresário - Programa de Capacitação, Negócios e Estratégia Empresarial
e o direito autoral Pró-Memória Empresarial, são de titularidade de
Hífen Comunicação Editorial e Eventos Ltda.