Home











...



« Memória Empresarial • ANO XXVIII - Ed. 872 (21/12/2008)

Ponto sustentável

A idéia de sustentabilidade, aplicada no mundo dos negócios por meio de soluções criativas e associadas à preservação do meio ambiente, já deixou de ser uma opção alternativa, ou até mesmo uma estratégia de marketing, para se transformar numa solução efetiva e economicamente viável dentro de uma realidade que veio para ficar e dar retorno financeiro a empresas de todos os portes em curto espaço de tempo. Quem garante é o descendente de imigrantes lituanos Airton Dudzevich, diretor da Super Green Soluções e Sistemas Sustentáveis. Depois de estudar engenharia mecânica e administração e conhecer catorze países como jogador profissional de basquete, ele se retirou das quadras, mas levou o espírito competitivo para o mercado de tecnologia. Ao ver na falta de integração dos processos de manutenção, instalação e assistência o ponto da deficiência que afetava as inovações tecnológicas que eram introduzidas no Brasil para gerar energia, ele decidiu especializar-se em deter o conhecimento de todas as etapas, atraindo, assim, a atenção dos poderes público e privado para desenvolver projetos de geração de energia no território brasileiro como oportunidade de negócio. Em depoimento exclusivo e visionário, ele relata sua trajetória de pioneirismo em parceria com a contratação de mão-de-obra chinesa.

OPORTUNIDADE
"Estava com a minha empresa de engenharia e, na seqüência, veio o apagão, quando muitas empresas importadoras visualizaram um grande negócio no sentido de importar soluções de energia para o mercado interno. Por isso, trouxeram painéis fotovoltaicos, luminárias especiais, mas esqueceram-se do detalhe da integração, da instalação e da manutenção, sem as quais o mercado brasileiro não assimilaria esses novos produtos. Uma importadora que trouxe um grande estoque de peças voltado para a obtenção de energia ficou com aquilo encalhado, e o jeito foi buscar um engenheiro que entendesse daquilo. Foi quando entrei na história e, graças a um projeto que visava a geração de eletricidade para um grupo de 136 famílias que vivia em uma região próxima de Parati, no Estado do Rio de Janeiro, acabei ficando com todo o material. Naquela época, surgiu uma oportunidade de negócio por meio de fontes renováveis de energia solar, o que me levou, em 2004, a abrir uma loja para integrar soluções com engenharia."


FOCO
"A Super Green era uma das nossas distribuidoras, e o dono sempre me chamava para ir para lá. A empresa já existia como uma distribuidora pequena de equipamentos. Eles tentavam levar um pouco do conceito de sustentabilidade para a construção civil como um todo, com tinta ecológica e madeira de reflorestamento. Em 2006, fui para lá e decidimos em conjunto focar apenas em água e em energia. O foco era importantíssimo, porque era a minha área e eu sabia que, dessa forma, conseguiríamos trazer receita. Sempre defendo a tese de que o empreendedor vive em guerra, assim como acontece em uma partida de basquete. Para ganhar, é preciso dedicar-se integralmente, pois não basta cumprir horários. Sempre quero chegar mais cedo na empresa, já acordo pensando no que vou fazer e vou dormir da mesma forma. Adoro fazer isso tudo, porque gosto de ver o resultado das minhas ações."


MERCADO
"No segmento de água e energia, que pode ser estendido para qualquer tipo ou tamanho de usuário, a instalação tem que ser boa e o consumidor consciente. Para que a sustentabilidade seja encarada como uma realidade que veio para ficar, o produto e o serviço precisam ser de alta tecnologia, ou seja, o instalador tem que saber instalar e a pessoa tem que saber usar. Fomos até a China para consultar o preço e a qualidade da tubulação feita de polipropileno randômico, um plástico oriundo do petróleo que serve para condução de água quente e fria, e estabelecemos uma parceria com o mercado chinês. Agora, precisamos criar mercado no Brasil por meio de um trabalho de convencimento, mostrando como o produto funciona e os benefícios que ele traz em termos de economia, integrando venda com assistência técnica. Somos pioneiros no aproveitamento da água de chuva, que já representa 15% no mercado da construção civil, em fotovoltaicos e em iluminação pública."


« Entrevista Anterior      Próxima Entrevista »
...
Realização:
IMEMO

MANTENEDORES:

Sianet

Candinho Assessoria Contabil

CNS

CRA-SP

Orcose Contabilidade e Assessoria

Hífen Comunicação


Pró-Memória Empresarial© e o Programa de Capacitação, Estratégia e Motivação Empreendedora Sala do Empresário® é uma realização do Instituto da Memória Empresarial (IMEMO) e publicado pela Hífen Comunicação em mais de 08 jornais. Conheça a história do projeto.

Diretor: Dorival Jesus Augusto

Conselho Assessor: Alberto Borges Matias (USP), Alencar Burti, Aparecida Terezinha Falcão, Carlos Sérgio Serra, Dante Matarazzo, Elvio Aliprandi, Irani Cavagnoli, Irineu Thomé, José Serafim Abrantes, Marcos Cobra, Nelson Pinheiro da Cruz, Roberto Faldini e Yvonne Capuano.

Contato: Tel. +55 11 9 9998-2155 – [email protected]

REDAÇÃO
Jornalista Responsável: Maria Alice Carnevalli - MTb. 25.085 • Repórter: Fernando Bóris;
Revisão: Angelo Sarubbi Neto • Ilustrador: Eduardo Baptistão

PROIBIDA A REPRODUÇÃO TOTAL OU PARCIAL DESTAS ENTREVISTAS sem permissão escrita e, quando permitida, desde que citada a fonte. Vedada a memorização e/ou recuperação total ou parcial, bem como a inclusão de qualquer parte da obra em qualquer sistema de processamento de dados. A violação dos Direitos Autorais é punível como crime. Lei nº 6.895 de 17.12.1980 (Cód. Penal) Art. 184 e parágrafos 185 e 186; Lei nº 5.998 de 14.12.1973


Hífen Comunicação
© 1996/2016 - Hífen Comunicação Ltda. - Todos os Direitos Reservados
A marca Sala do Empresário - Programa de Capacitação, Negócios e Estratégia Empresarial
e o direito autoral Pró-Memória Empresarial, são de titularidade de
Hífen Comunicação Editorial e Eventos Ltda.